Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Brasil tem mais de 206 milhões de habitantes, diz IBGE

Nova estimativa da população foi publicada no 'Diário Oficial da União' desta terça-feira; em 2015, número era de 204 milhões de pessoas

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2016 | 07h37
Atualizado 30 de agosto de 2016 | 21h21

BRASÍLIA - Em um ano, o Brasil ganhou 1,630 milhão de moradores e chegou a 206.081.432 em 2016. Houve um aumento de 0,8% em relação a 2015, quando a população brasileira era de 204.450.649 habitantes. O ritmo de crescimento da população brasileira vem diminuindo ano a ano: entre 2014 e 2015, o número de habitantes cresceu 0,83% e, entre 2013 e 2014, o aumento foi de 0,86%.

A estimativa do IBGE mostra que, em comparação com 2010, o crescimento populacional foi de 8%, com 15,3 milhões de habitantes a mais – o equivalente à população da Bahia. 

A concentração de moradores nos grandes centros é uma das características mais marcantes do perfil populacional brasileiro, aponta o IBGE. Apenas 17 municípios (0,3% das 5.570 cidades brasileiras), com população superior a 1 milhão, têm um quinto (21,9%) da população brasileira, somando 45,2 milhões de habitantes.

Mais da metade dos habitantes do País (56,4% ou 116,1 milhões de pessoas) vive em apenas 5,5% das cidades brasileiras (309 municípios, com mais de 100 mil habitantes). No outro extremo, estão 3.809 municípios (68,4%) com até 20 mil habitantes, onde vivem apenas 15,8% dos brasileiros. 

Segundo o IBGE, quase um quarto dos municípios (1.379 cidades) teve redução de população entre 2015 e 2016. Entre as cidades que perderam moradores, as de pequeno porte são maioria. Já as cidades médias são maioria entre as que têm crescimento entre 0,5% e 1%. 

“Os pequenos municípios têm menos atrativos, menos oferta de educação, menos oportunidade de emprego e a tendência dos moradores é procurar cidades maiores. Ao mesmo tempo, viver em grandes cidades é mais caro, o que faz muitas pessoas optarem por cidades médias, próximas dos grandes centros. O crescimento das médias foi uma tendência entre 2000 e 2010 e vem se mantendo”, diz a gerente de estimativas e projeções populacionais do IBGE, Izabel Guimarães. 

O Norte e o Centro-Oeste têm mais cidades com taxas de crescimento acima de 1%.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Diário Oficial da UniãoIbgeIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.