Brasileira acusada de chantagem volta ao tribunal em Londres

A faxineira brasileira Roselane Driza, de 37 anos, acusada de chantagear uma juíza e roubar vídeos comprometedores de outro magistrado com o qual teve um relacionamento amoroso, voltou a apresentar-se nesta sexta-feira, 23, a um tribunal britânico, onde negou as acusações contra ela.A brasileira comparece novamente à Justiça depois que, em fevereiro, o Tribunal de Apelação de Londres anulou a sentença de 2 anos e 9 meses de prisão imposta por outra Corte, em outubro de 2006, e ordenou a realização de um novo julgamento.Roselane, que virou estrela nos tablóides britânicos, é acusada de chantagear uma juíza e roubar vídeos caseiros com imagens comprometedoras de outro juiz com quem tanto ela como a magistrada tiveram um relacionamento amoroso.Ela, que está em liberdade após pagar fiança, trabalhou como faxineira para uma magistrada que não pode ser identificada por razões legais e para o juiz Mohammed Ilyas Khan, ambos do Tribunal de Asilo e Imigração do Reino Unido.O caso aconteceu em 1999, quando Driza começou a trabalhar para a juíza, a quem disse que tinha status de refugiada, contou a magistrada no julgamento. Quando os juízes separaram-se, ambos mantiveram a brasileira em casa como empregada doméstica, mas depois a magistrada a despediu por considerar que se intrometia muito em sua vida particular.Na época, Driza continuou trabalhando como empregada doméstica para Khan, com quem iniciou um relacionamento amoroso que durou até ser descoberto pela juíza. Depois que o juiz despediu a brasileira e terminou o relacionamento, ela exigiu da magistrada o equivalente a ? 29.500 (o equivalente a quase R$ 120 mil) em troca de não revelar que tinha trabalhado ilegalmente para ela, e também ameaçou o homem de divulgar dois vídeos com imagens comprometedoras.Driza, que na chegada ao tribunal penal de Old Baley mandoubeijos para os fotógrafos que a esperavam na porta da Corte, saberáem uma próxima audiência, que acontecerá em abril, se haverá um novojulgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.