Brasileira confessa ter mandado matar marido alemão

A brasileira Patrícia Mosler Vieira, de 23 anos, confessou hoje que planejou a morte do marido, o alemão Joachim Gunter Mosler, de 46 anos, de olho no seguro de ? 100 mil. Segundo o delegado Reginaldo Borges, ela planejava o crime desde novembro, mas teve medo de executá-lo na Alemanha, onde morava com o marido desde o casamento, em junho do ano passado. "Então ela inventou a viagem para o Brasil com a desculpa de apresentar a família", contou o Borges.Para tentar despistar a polícia, Patrícia combinou com o assassino a simulação de um assalto. Na noite da última terça-feira, numa pista para cooper em Taguatinga, o homem e um menor de idade se aproximaram do casal, levaram a bolsa de Patrícia e mataram o alemão com nove facadas. Ela sustentou a versão do assalto no primeiro depoimento à polícia.O crime saiu nos jornais. Um homem de 25 anos leu a notícia e, espontaneamente, procurou o delegado para contar uma conversa que teve em janeiro, numa sala de bate-papo da internet, com uma brasileira que vivia na Alemanha. A mulher inicialmente se apresentou como Fernanda e depois disse se chamar Patrícia. Na conversa ela contou que procurava alguém para matar o marido alemão que tinha um bom seguro de vida.A brasileira foi chamada novamente pela polícia. O delegado mostrou as contradições do depoimento inicial de Patrícia e listou os indícios que apontavam para ela como mandante do crime. "Não restou outra alternativa a Patrícia senão contar tudo o que aconteceu", relatou o delegado Borges que já prendeu a mulher, o assassino e o menor. Patrícia disse que apanhava do marido.Ela chegou ao Brasil dez dias antes de Mosler. No dia 29 de fevereiro, foi a uma praça em Taguatinga, onde contratou o assassino, e pagou metade dos R$ 3 mil exigidos. Acertou que a outra metade estaria na bolsa, que seria levada na hora do crime. Os pais da brasileira, que assistiram à confissão do crime, ficaram transtornados, segundo informou o delegado. A Embaixada da Alemanha, que fará o repatriamento do corpo do alemão, já foi comunicada da solução do crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.