Arquivo pessoal/família de Patrícia/Facebook
Arquivo pessoal/família de Patrícia/Facebook

Brasileira e bebê foram encontrados mortos na Holanda

Patrícia de Oliveira Santos, 32 anos, já havia reclamado do comportamento do namorado holandês. Família ainda não sabe detalhes do crime. O Ministério das Relações Exteriores está acompanhando o caso

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2019 | 16h44

Uma brasileira de 32 anos foi encontrada morta dentro de uma casa na cidade de Diemen, na Holanda, junto com um recém-nascido. Patrícia de Oliveira Santos é de  Fortaleza, no Ceará, mas   estava na Holanda  desde o fim de setembro.  A ideia de Patrícia, segundo a família,  era voltar ao Brasil em dezembro.  Em Diemen, Patrícia morava com o namorado – cujo o nome a família diz ser “Dennis”.

No dia 18 de outubro a família foi informada sobre a morte, mas, desde então, não consegue mais detalhes sobre o que de fato aconteceu com Patrícia. Além disso, no mesmo período, jornais holandeses relataram a prisão de um homem de 48 anos, identificado como Dennis van E., pela morte de uma mulher e o filho dela na mesma cidade em que Patrícia foi encontrada morta. “Não sei o sobrenome dele, mas acredito ser esse que os jornais estão divulgando”, contou a irmã de Patrícia, Fabiana Oliveira dos Santos.

Ainda de acordo com Fabiana, o namorado da irmã vinha com regularidade para o Brasil. “Ele estavam juntos há 3 anos. Quando ele estava no Brasil, ficava cerca de 3 meses em casa. Sempre foi muito educado com minha mãe e com todos em casa”, relatou. Em uma dessas visitas, Patrícia, que tem dois filhos de outro relacionamento, engravidou. “Ele mandou uma passagem para ela – que decidiu passar um período na Holanda com ele”.

Fabiana, a irmã, contou que no início o contato com a irmã era quase que diário – e que tudo parecia bem. “Mas as coisas foram mudando. Ela chegou a dizer que ele estava muito ciumento, mas não relatou agressões. Acho que ele não queria mais o bebê”, disse. O namorado teria inclusive sugerido um aborto.  Patrícia teria avisado a irmã que não poderia mais falar todos os dias com eles – pois o namorado não gostava que ela ficasse “de conversa com os outros”. 

Apenas no dia 18 de outubro, ela foi informada da morte da irmã – e que o corpo dela havia sido encontrado ao lado de um bebê - ainda não se sabe se o bebê encontrado é o filho de Patrícia. A família busca mais informações e aguarda o translado do corpo. 

Por e-mail, o Consulado-Geral do Brasil em Amsterdã informou que acompanha o caso e está em contato com familiares da brasileira.

O Itamaraty informa que "em atendimento ao direito à privacidade dos envolvidos, bem como à Lei de Acesso à Informação e ao decreto 7.724, não pode fornecer informações adicionais sobre o assunto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Novembro Azul: entenda a campanha de prevenção do câncer de próstata
  • DPVAT: o que é e como funciona o seguro obrigatório?
  • Yuval Harari: “Algoritmos entendem você melhor do que você mesmo se entende”

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.