Mike Segar / Reuters
Mike Segar / Reuters

Brasileira é presa nos EUA após arrancar boné pró-Trump de americano e pode ser deportada

Rosiane Santos, de 41 anos, disse que não acreditava que o indivíduo havia tido permissão para entrar em um estabelecimento mexicano usando um boné como aquele

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2019 | 11h58

FALMOUTH, EUA - Uma brasileira foi presa por arrancar um boné pró-Trump da cabeça de um homem no Estado americano de Massachusetts e, agora, corre o risco de ser deportada.

Há duas semanas, Rosiane Santos, de 41 anos, foi filmada tirando de um americano o boné que ele usava com a frase “Make America Great Again” (Faça a América Grande de Novo), slogan usado por Donald Trump em sua campanha eleitoral de 2016, em um restaurante mexicano.

Na delegacia, ela afirmou que não acreditava que o indivíduo havia tido permissão para entrar em um estabelecimento mexicano usando um boné como aquele, segundo um relatório do Departamento de Polícia de Falmouth.

Bryton Turner se identificou como vítima do ataque de Rosiane em uma nota enviada à emissora NBC News, e seu nome é mencionado no relatório policial do caso. Ele contou que a brasileira começou a “assediá-lo verbalmente” logo que ele entrou no restaurante. “Tudo o que eu falei foi ‘eu posso usar esse boné em qualquer lugar que eu quiser, estamos na América’”, disse. 

O vídeo do episódio, que foi publicado no Facebook e depois retirado do ar, mostra Turner sentado no que parece ser um bar e filmando a si mesmo enquanto Rosiane caminha atrás dele. “Veem isso aqui? Esse é o problema”, diz ele na gravação. “Pessoas ignorantes como essa. Estou apenas tentando sentar aqui e ter uma boa refeição, e olhem isso.” Neste momento, ela aborda Turner por trás, bate no boné dele e começa a disparar alguns palavrões. “Esse é o problema com a nossa América hoje em dia. As pessoas são ignorantes e querem atacar as que são educadas.”

Rosiane, que estava bêbada, foi presa sob acusações de conduta desordeira e agressão simples - duas contravenções - e foi retirada do restaurante. Ao sair do local, ela agrediu fisicamente o americano e arrancou seu boné.

Ela foi solta após pagar a fiança de US$ 40 e se declarou inocente. Mas agora Rosiane - que vive nos Estados Unidos sem documentação legal - enfrenta a possibilidade de ser deportada para o Brasil.

Funcionários da Agência de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE, na sigla em inglês) prenderam a brasileira nesta terça-feira 26, disse um porta-voz em um comunicado, acabou sendo liberada e agora está em processo de remoção no tribunal federal de imigração. Ela deve comparecer à Corte em uma data a ser anunciada.

Ainda não se sabe como o órgão de imigração soube do caso de Rosiane. A polícia de Falmouth disse ao jornal The Washington Post que não sabia do status migratório da brasileira no momento em que ela foi presa e não notificou a agência.

De acordo com um representante policial, é possível que os funcionários tenham sido notificados quando o nome de Rosiane entrou no sistema. “O ICE não discute publicamente sobre ferramentas de busca e inteligência e métodos que nossos agentes e funcionários podem usar em seu trabalho”, explicou John Mohan, porta-voz do órgão para a região da Nova Inglaterra.

A advogada de Rosiane, Katarina Kozakova, afirmou ao site Boston.com que a brasileira é casada com um cidadão americano e está aguardando a aprovação de seu green card. O envolvimento do ICE no caso implica que a solicitação do documento será revisada agora por um juiz de imigração, ao invés do Serviço de Cidadania e Imigração dos EUA. “Esta é a única mudança que essa prisão custou a Rosiane em termos de imigração”, ressaltou Katarina. / W.Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.