Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Brasileira grávida é achada morta em escritório na Itália

A promotoria de Brescia trata o caso como homicídio; Marilia Martins tinha 29 anos e era de Minas

Rene Moreira, Especial para o Estado

02 Setembro 2013 | 14h12

FRANCA - A mineira Marilia Rodrigues Silva Martins, de 29 anos, foi encontrada morta na noite de sexta-feira, 30, no escritório da empresa onde trabalhava na cidade de Gambara, província de Brescia, norte da Itália. O corpo de Marilia, que estaria grávida de seis meses, foi achado por um superior, que afirma ter sentido cheiro de gás. A promotoria de Brescia trata o caso como homicídio.

Natural de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, Marilia foi morar na Itália com a mãe, que já retornou para o Brasil. Autoridades italianas acreditam que o gás tenha vazado de uma caldeira. A vítima, segundo as investigações, tinha ferimentos no rosto e na nuca que não poderiam ter sido causados por uma queda acidental.

A porta do escritório estava destrancada por dentro e, segundo a polícia, o gás que vazou ou foi solto era metano, que, mesmo sendo explosivo, não provoca reações no ser humano. O pai da jovem e um tio, que é promotor de Justiça no Brasil, vão para a Itália acompanhar as investigações.

Mais conteúdo sobre:
Itáliahomicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.