Brasileira operada às pressas no exterior será transferida para o Brasil nesta quinta-feira

Natália Duffles teve o pedido de traslado negada pela seguradora até que a família provasse que a doença não era pré-existente.

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

18 Setembro 2013 | 17h56

A arquiteta brasileira Natália Duffles, de 32 anos, operada às pressas de um tumor no cérebro no Peru, deve ser transferida para o Rio de Janeiro nesta quinta-feira, informou a família. Os médicos do hospital Mac Salud, em Cuzco, autorizaram a viagem, depois que o estado de saúde de Natália apresentou melhoras.

Natália passava férias no Peru, quando sentiu-se mal, foi hospitalizada e recebeu o diagnóstico de um tumor na região frontal do cérebro. O seguro viagem contratado pela arquiteta recusou o traslado para o Brasil em UTI aérea, até que a família provasse que a doença não era pré-existente. Natália precisou ser operada na quinta-feira, 12, seis dias depois de ter sido internada.

De acordo com a família, a seguradora vai assumir todo o custo com o traslado de Cuzco para o Rio de Janeiro, onde Natália será internada no Instituto Estadual do Cérebro. Mas a família teve de arcar com US$ 10 mil dos US$ 40 mil que foram cobrados pelo período em que ficou hospitalizada em Cuzco.

"O seguro para tratamento cobre até o limite de US$ 30 mil pela internação. Como ela ficou muitos dias e teve de passar por uma cirurgia, esse valor foi ultrapassado. Nada disso teria acontecido se eles não tivessem demorado a autorizar a transferência", afirmou a jornalista Bárbara Duffles, irmã da arquiteta.

Os pais de Natália estão em Cuzco, acompanhando o tratamento da filha. "Ela movimentou pernas e braços, atendendo a pedidos dos médicos, e já fala um pouco. Ela compreende tudo o que é falado para ela. Os médicos ficaram satisfeitos com a melhora", afirmou Bárbara.

Natália contratou o seguro de viagem do cartão Visa Platinum, que repassa o serviço para a AXA Assistance. A Visa informou que não comenta o caso em "respeito à privacidade do portador do cartão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.