Brasileira que morreu no Peru era estudante de Medicina da Puc-Campinas

Paula Sibov caiu em um abismo de 200 metros de profundidade no Vale del Colca

Agência Brasil,

24 Julho 2012 | 15h26

Brasília - A estudante, de 24 anos, que morreu ao cair em um abismo de 200 metros de profundidade, no Vale del Colca, na Cordilheira dos Andes, no Sul do país, era Paula Sibov, que estava no 4º ano de medicina da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas, no interior de São Paulo. Em nota, a universidade confirmou hoje, 24, a identidade da jovem, que morreu há dois dias.

"A PUC-Campinas confirma que Paula Sibov, que se acidentou no Peru e veio a falecer, era aluna do 4º ano do curso de medicina. A universidade lamenta o ocorrido e se solidariza com os familiares", diz a nota.

O comunicado acrescenta que Paula Sibov era uma aluna dedicada. "A estudante, de 24 anos, se formaria em 2014 e apresentava um bom desempenho acadêmico, sempre dedicada e empenhada em suas atividades."

O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, informou hoje que a Embaixada do Brasil em Lima, capital peruana, trabalha com as autoridades do Peru na emissão dos documentos para o traslado do corpo.

A família da jovem foi contatada no domingo, 22, e recebe orientações da Embaixada do Brasil em Lima e do cônsul honorário do Brasil em Arequipa (cidade mais próxima de onde ocorreu o acidente), Miguel Rivas. Não há data para a chegada do corpo dela ao Brasil.

O acidente ocorreu na região de Sangay conhecida como El Oásis, área usada para trilhas. A estudante foi resgatada por homens da Polícia Nacional e trabalhadores do município, na madrugada de segunda-feira,23.

O Vale del Colca está próximo à cidade de Arequipa, no Peru, onde há o encontro entre o Rio Colca e o Canhão do Colca – no qual há a espécie do condor sul-americano. O caminho detém uma das mais belas paisagens naturais da região com animais raros, como condores, as lhamas, alpacas, guanacos, entre outros.

Mais conteúdo sobre:
Acidente Peru brasileira morta Peru

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.