Brasileiro é detido na Espanha por vender identidades falsas

Documentos eram vendidos por 700 euros e permitiam que brasileiros regularizassem situação no País

Efe,

21 de dezembro de 2007 | 18h20

Um brasileiro foi detido em Sevilha, no sul da Espanha, por vender documentos de identidade portugueses falsos, com os quais outros brasileiros conseguiam o cartão de residência da União Européia (UE) para legalizar sua situação. Identificado como J. C. R., o brasileiro vendia os documentos por 700 euros (US$ 1.000) aos imigrantes, que depois iam ao Escritório de Estrangeiros para solicitar a permissão como se fossem cidadãos portugueses. Segundo a Chefia Superior de Polícia, após regularizada a situação, o detido contratava os imigrantes no restaurante de comida brasileira onde trabalhava como gerente. O proprietário do restaurante, J. C. V., e a encarregada, M. C. C., ambos espanhóis, também foram detidos por contratar empregados irregulares. A operação, que começou em julho, levou à detenção de outros dois brasileiros, identificados como R. D. S. e D. S. O., por comprar os documentos e se fazer passar por portugueses, e outros trabalhadores do restaurante da mesma nacionalidade estão sob processo de expulsão.Todos os detidos já estão à disposição judicial, e a operação continua aberta, já que foram identificados mais oito brasileiros compraram a carteira falsa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.