Google Street View
Google Street View

Brasileiro suspeito de homicídio é encontrado morto em prisão na Suíça

Ministério Público de Zurique abre investigação para determinar causas da morte do homem identificado como Luís R.

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo na Suíça

03 Outubro 2017 | 07h31
Atualizado 03 Outubro 2017 | 19h27

GENEBRA - Um brasileiro foi encontrado morto em uma prisão na Suíça na noite desta segunda-feira, 2. Um comunicado do Ministério Público de Zurique indicou que uma investigação foi aberta para determinar as causas da morte. Mas, segundo a polícia, os primeiros resultados indicam que não foi registrado qualquer tipo de agressão ou falha externa. 

Suspeito de ter cometido um assassinato que chocou a Suíça, o brasileiro tinha 36 anos e estava em um dos principais centros carcerários da cidade. Autoridades suíças o identificam apenas como Luís R. 

Segundo a polícia de Zurique, em 2016 o brasileiro teria assassinado um aposentado de 67 anos em um estacionamento em Eglisau. A vítima era vizinha de Luís, que o teria espancado até a morte. 

+ Satélite brasileiro vai operar em 2018, diz Kassab

O brasileiro, casado com uma eslovaca, chegou a admitir o crime. Mas o corpo da vítima jamais foi encontrado. Luís insistiu diante dos juízes que não se lembrava onde teria deixado o corpo. Seu julgamento estava marcado para começar em dezembro, na Suíça.

A prisão onde ele estava sendo mantido era a do aeroporto de Zurique. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil informou que o homem foi transferido para o centro de detenção do aeroporto há uma semana, vindo de outra prisão na Suíça. Ainda de acordo com o Itamaraty, ele pediu a segunda via de seus documentos ao consulado que, ainda no dia 28 de setembro, o visitou para prestar assistência.

+ Estadão Notícias: Após ataque, Trump vai enfrentar debate sobre porte de armas?

Depressão

Luís tomava remédios para depressão.  Até a noite desta terça-feira, 3, a polícia havia informado o governo brasileiro que não havia uma conclusão definitiva dos exames de autópsia e três cenários ainda estavam sob consideração: morte natural, suicídio ou homicídio. Ainda assim, não havia sinais de agressões externas.  

O governo brasileiro informou que acompanhou o caso por meio de seu Consulado em Zurique e manteve em sigilo a identidade do morto. Na tarde desta terça, diplomatas brasileiros se reuniram com as autoridades de Zurique para obter detalhes da investigação. 

"O Ministério Público de Winterthur iniciou uma investigação, como é costume no caso de morte nas prisões", indicou um breve comunicado das autoridades. "Com o devido respeito pela investigação em curso, nem o Ministério Público nem o Gabinete de Justiça podem fornecer mais informações."

Com 7,3 mil detentos, as prisões suíças registraram dez mortes em 2011 e 29 em 2012. Desses, nove foram suicídios. Nos anos 1990, um brasileiro acusou a polícia suíça de tê-lo espancado na prisão, o que o teria deixado tetraplégico. 

Mais conteúdo sobre:
Europa Suíça [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.