Brasileiro é torturado e morto na Espanha

Um casal formado por um homossexual espanhol e outro brasileiro foi torturado e morto em Vigo (norte da Espanha). Os corpos das vítimas foram encontrados carbonizados nesta quinta-feira, depois que o apartamento onde viviam pegou fogo. Os dois homossexuais, conhecidos como Julio (brasileiro) e Dani (espanhol) foram descobertos pelos bombeiros que tinham sido chamados pelos vizinhos para apagar o incêndio. Os bombeiros encontraram os corpos degolados, com as mãos amarradas e marcas de torturas. O gás estava aberto. Os motivos e a autoria do crime ainda são desconhecidos.Cena macabra "Foi uma cena bastante macabra", disse o sargento Estanislao Durán, chefe dos bombeiros. "Há sinais claros de que ambos foram arrastados pelo chão", completou o sargento.Segundo os vizinhos, houve uma festa no apartamento do casal na mesma noite. Mais tarde, por volta das quatro da manhã, os vizinhos passaram a ouvir barulho de discussões e pancadaria no sétimo andar do prédio.Eles tiveram que chamar os bombeiros por causa da forte fumaça que saía do apartamento. No local havia três focos de incêndio que, de acordo com os bombeiros, foi provocado. O fogo espalhou-se por três cômodos e havia manchas de sangue por quase todo o chão.Os corpos torturados foram achados quase carbonizados pelas chamas e estavam cobertos com mantas, que, segundo os bombeiros, ajuda a comprovar que a intenção era deixar os corpos sem marcas digitais.Vizinhos comentaram que as vítimas eram pessoas tranqüilas e adaptadas ao bairro, mas que as festas com música brasileira aconteciam praticamente todas as noites e que as brigas e confusões também eram freqüentes.Ainda segundo depoimentos da vizinhança, o apartamento estava alugado em nome da mãe de uma das vítimas, que não aparecia no imóvel há meses. Desde a mudança de inquilinos, o prédio começou a ter problemas com o barulho das festas diárias.Os cadáveres foram encontrados por volta das 10 horas da manhã e levados ao hospital Nicolás Peña para a autópsia. A polícia evitou divulgar mais dados, alegando que no momento há poucas pistas sobre o crime. Os sobrenomes das vítimas não foram fornecidos.Os vizinhos também afirmaram que o casal freqüentava centros de apoio a gays de Vigo. O brasileiro, cuja idade só será revelada na sexta-feira depois da autópsia, trabalhava como garçom em um bar próximo ao imóvel onde foi morto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.