Reprodução/Arquivo Pessoal
Reprodução/Arquivo Pessoal

Brasileiro internado na Rússia tem alta e retorna para Fortaleza

Engenheiro permaneceu em hospital durante 20 dias; diagnóstico de médicos russos foi confirmado por profissional de saúde brasileiro

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2018 | 11h55

SÃO PAULO - O engenheiro Leonardo Pestana, de 27 anos, retornou ao Brasil na terça-feira, 10, após ter ficado internado em um hospital psiquiátrico em São Petersburgo, na Rússia. O rapaz foi impedido de embarcar de volta para o Brasil em 16 de junho, pois teria sofrido uma espécie de surto no aeroporto. Ele é natural de Fortaleza e estava no leste europeu desde abril para estudar russo e pesquisar sobre a possibilidade de cursar Medicina na região.

Nos primeiros dias em que esteve internado, Leonardo teve contato com a família em apenas uma ocasião, o que fez amigos e parentes suspeitarem do tratamento imposto por médicos russos. O diagnóstico foi, contudo, confirmado por um médico brasileiro, embora não tenha sido divulgado. 

+ Turista sofre assalto em SP e liga para a Alemanha pedindo socorro

Na sexta-feira, 6, Leonardo recebeu alta no hospital. Após a data, encontrou a mãe, a funcionária pública Fátima Pestana, e um amigo, com os quais retornou ao País. Segundo pessoas próximas, o engenheiro está bem e em casa. 

Amigos chegaram a criar uma vaquinha online para ajudar com os custos do retorno, estimados em R$ 30 mil. Até a manhã desta quarta-feira, 11, foram arrecadados R$ 800.

O rapaz é filho único e se formou em 2017 em Engenharia Ambiental e Sanitária pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Além disso, teria estudado inglês durante um semestre no Canadá. 

+ Estudante de Medicina é morta por asfixia pelo namorado em Campinas

Governo brasileiro. Por meio de nota, o Ministério das Relações Exteriores afirmou ter prestado atendimento consular ao brasileiro na Rússia. Segundo a instituição, o consulado temporário do Brasil em São Petersburgo realizou visitas frequentes no hospital.

"Ocasiões em que foi possível assisti-lo da seguinte forma: realização de chamadas telefônicas e de vídeo entre Leonardo e sua família no Brasil; apoio ao médico brasileiro da família; interpretação russo-português-russo; fornecimento de itens de uso pessoal; verificação das condições de internação do cidadão brasileiro no hospital", informou.

Mais conteúdo sobre:
Rússia Leonardo Pestana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.