Brasileiro pega 109 anos de prisão nos EUA

Lindolfo Thibes abusou sexualmente por 20 anos da própria filha e teve com ela três filhas

Jack Leonard, O Estadao de S.Paulo

20 de abril de 2009 | 00h00

O chamado de emergência falava de um homem que esfaqueara a namorada no estacionamento de um hospital de Las Vegas. Mas, quando detetives começaram a investigar, descobriram um horrível segredo familiar. O suspeito - o brasileiro Lindolfo Thibes, de 48 anos - não era o namorado da vítima, e sim seu pai. Além de abusar sexualmente da jovem por quase 20 anos, teve três filhas com ela. Na sexta-feira, a filha, hoje uma mulher de 29 anos, estava num tribunal de Los Angeles quando o juiz o condenou a 109 de prisão, num caso definido por policiais como o mais hediondo que já encontraram e que lembra o do austríaco Josef Fritzl, que manteve por 24 anos a filha trancada num porão de Amstetten, a 130 quilômetros de Viena, e com ela teve sete filhos.Os abusos de Lindolfo começaram quando ela tinha 6 anos e morava em Los Angeles, cidade para onde emigrou com a família em 1982. Ela disse que o pai, instrutor de artes marciais, ameaçou matá-la se ela contasse a alguém e a manteve prisioneira em casa, controlando seus movimentos por meio de circuito interno de TV, além de espancá-la em momentos de fúria e paranoia. A mãe trabalhava à noite e posteriormente saiu de casa para ser acompanhante de um doente. Ela não foi encontrada para comentar o caso. O pai dava bebidas alcoólicas à filha e a incentivava a fumar maconha desde os 8 anos. Ela teve de abandonar a escola na 6ª série, e segundo laudos, era estuprada cerca de dez vezes por semana. Debaixo de sua cama, havia detectores de movimento que disparavam um alarme quando ela levantava.Quando adolescente, foi proibida de sair de casa sozinha. O pai frequentemente a acusava de tentar fugir ou se encontrar às escondidas com rapazes. Enraivecido, batia nela e no irmão com taco de beisebol. Aos 17 anos, ela teve a primeira menina. Durante anos, a filha mais velha foi sua única amiga. Em 2003, temendo que o filho contasse à polícia sobre os abusos, Thibes fugiu com os dois para Las Vegas, onde contava que ela era sua namorada. Em abril de 2005, ele apunhalou a filha no peito com uma faca de cozinha. Na audiência, Thibes não falou em culpa. Fez apenas uma série de queixas incoerentes ao juiz, referindo-se a si mesmo na terceira pessoa. Assumindo a própria defesa, disse que seu caso deveria ter sido encerrado há muito tempo e declarou ter alucinações. Também afirmou ter sido condenado com provas fraudulentas. Mas testes de DNA confirmaram o relato da filha, provando que Thibes é o pai e o avô das três filhas dela, de 4, 7 e 11 anos.Quando Lindolfo foi levado pelos guardas sexta-feira, a filha chorou abraçada ao irmão mais novo, que, segundo ela, também era espancado pelo pai. "Espero que ele sofra", disse ao Los Angeles Times, sem se identificar. "Quero que morra numa prisão, porque foi o que ele fez comigo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.