Brasileiro pega 40 anos nos EUA por atentado

Ele foi sentenciado por ataque a bomba contra outro brasileiro

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2008 | 00h00

O brasileiro Joel Lemos, de 38 anos, foi sentenciado ontem a 40 anos de prisão por um atentado à bomba em 2005, em Somerville, nos Estados Unidos. A vítima foi outro brasileiro, José Fernando, que escapou com vida, mas ficou com seqüelas nos olhos. Lemos também recebeu duas condenações ( 20 anos) de "probation", na qual ficará sob observação do governo americano. A família vai recorrer. Joel cumprirá os primeiros anos da sentença na Penitenciária de Concord, no Estado de Massachusetts. Ele respondeu por oito acusações - as principais são de explosão dolosa, lesão corporal e incêndio de propriedade. Segundo sua irmã, Dinagel Lima, que acompanhou o julgamento, pesou o fato de terem encontrado nas coisas de Joel um exemplar do Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos, e a acusação de que ele aprendeu a fabricar bombas na Marinha brasileira. "Acontece que ele só serviu dez meses e no Hospital de Guarnição de Florianópolis. Apresentamos as provas disso, mas eles ignoraram", diz. "O Joel está em péssimas condições porque caiu na primeira prisão. Ele tem graves problemas nas costas e está em cadeira de rodas, precisando de tratamento." O advogado de defesa no Brasil, Osvaldo Agripino da Costa Júnior, diz que o julgamento foi adiantado para evitar a possibilidade de extradição ativa - o preso cumprir pena no País -, uma vez que o crime foi contra um brasileiro. Um dos requisitos, no entanto, é que o julgamento ainda não tenha ocorrido. Agripino agora diz que a única possibilidade de ele cumprir pena no Brasil é a assinatura de um acordo bilateral, firmado entre os dois países, o que considera improvável. A mãe de Joel, de Criciúma (SC), diz que o crime foi passional, uma vez que ele estaria envolvido em um triângulo amoroso. Dele faziam parte o brasileiro que teve o carro explodido e a americana Cheri Ellis, funcionária da pizzaria de Joel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.