Brasileiro relaxa na segurança quando está fora do País

A sensação de estar com dinheiro para consumir faz relaxar nos cuidados com segurança.

Andrea Nakane *,

19 Maio 2012 | 18h04

Quando viajamos, temos comportamentos que deixam claro a todos que somos turistas, como mapas nas mãos e máquinas fotográficas no peito. Isso não é privilégio nacional. Mas, nesse momento de contraste da estabilidade da economia brasileira com a crise mundial, passamos a ser vitrine, alvo. A sensação de que estamos no paraíso, com dinheiro para consumir de tudo um pouco, nos faz relaxar nos cuidados com segurança e, consequentemente, abrimos brecha para ladrões. O fato é que, quando saímos do País, nos sentimos mais seguros e não agimos como no Brasil, preocupados com roubos em semáforos ou com carros trancados.

A concentração desse público ávido por compras facilita a ação dos assaltantes em outlets. Ainda mais porque o turista brasileiro costuma andar em grupo, falar alto, conversar nas lojas. Esse lado extrovertido é facilitador. Diante das ocorrências registradas por lá, é preciso seguir dicas de segurança básicas, como não andar com muito dinheiro vivo, deixar as bolsas sempre visíveis, usar os guarda-volumes nos outlets e não deixar todas as compras para o mesmo dia.

Ter mais atenção em viagens nacionais ou internacionais pode não evitar roubos e furtos, mas certamente reduz as chances, especialmente em Miami e Orlando.

*É coordenadora do curso de turismo da Universidade Anhembi Morumbi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.