Brasileiros deixam de votar em 16 países

Um total de 274 brasileiros, residentes em 16 diferentes países, não puderam votar no primeiro turno das eleições por falta do número mínimo de 30 eleitores para a abertura de uma seção eleitoral. Os brasileiros impedidos de votar residem em países africanos, asiáticos, europeus e na América Central. São eles: Argélia, Gana, Líbia, Namíbia e Zimbábue, Irã, Kuwait, Paquistão e Vietnã, Bulgária, Sérvia (ex-Iugoslávia), Turquia e Ucrânia, Barbados, Jamaica e Trinidad y Tobago.Participaram do pleito 41.388 eleitores de 77 países, em seções eleitorais montadas em 71 nações. Estavam aptos a votar 86.359 cidadãos brasileiros. Não compareceram às urnas 44.697 eleitores. Os residentes no exterior puderam votar apenas para presidente. Entre os 41.388 votos apurados, 39.077 foram válidos, 1.263 brancos e 1.048 nulos. O candidato Geraldo Alckmin, da coligação Por um Brasil Decente (PSDB-PFL), obteve 17.513 votos, enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da coligação A Força do Povo, recebeu 15.551 votosEntre os cinco maiores colégios eleitorais no exterior, o candidato Geraldo Alckmin venceu nos Estados Unidos, Canadá e Alemanha. Lula teve mais votos em Portugal e na Itália. O petista venceu o tucano na maioria dos países africanos. Nos Estados Unidos, maior colégio eleitoral no exterior, foram contabilizados 13.760 votos. O menor colégio eleitoral brasileiro do mundo é Emirados Árabes, onde apenas oito brasileiros votaram. Para adquirir o direito de voto, o brasileiro residente no exterior deve requerer sua inscrição ao juiz da Zona Eleitoral no Exterior até 151 dias antes ao pleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.