Brasília faz campanha contra ruído de aviões

Um grupo de moradores do Lago Sul, área residencial de classe média de Brasília, iniciou uma mobilização para interpelar judicialmente a Infraero e o Departamento de Aviação Civil (DAC) para resolver um problema comum às grandes cidades: o barulho provocado pelo intenso tráfego de aviões. "O barulho de avião causa problemas de surdez e stress, além de prejudicar as construções por causa da trepidação", justifica a prefeita da QI 17 do Lago Sul, Jane Carol Brauner Azevedo. Segundo ela, a comunidade do Lago Sul está convencida de que, se aplicada em Brasília, a regra para a medição dos ruídos de aviões reprovaria todos os que transitam pelo aeroporto. ?O barulho dos aviões ultrapassa o limite do ser humano?, disse ela. A QI 17 é uma das principais áreas prejudicadas pelo ruído excessivo dos aviões. O problema, entretanto, atinge pelo menos sete quadras residenciais do Lago Sul. A prefeita conta que os moradores já tiveram uma série de reuniões com o DAC e Infraero. "Posso dizer que as negociações não avançaram um milímetro", afirma ela. Um estudo preparado pelo advogado Bolívar Moura Rocha que presta assessoria informal à prefeitura da QI 17, identificou a existência de uma legislação pela qual as empresas de aviação estariam obrigadas a desativar as unidades com mais de 25 anos de uso. Este cronograma de desativação, no entanto, foi revisto em função da preocupação com a saúde financeira das companhias aéreas, o que significa que só em 2010 os chamados aviões barulhentos estarão totalmente desativados.Além da desativação dos aviões antigos, os moradores do Lago Sul reivindicam ao DAC e Infraero a construção de uma segundapista para pouso e decolagem com extensão mínima de 3,5 quilômetros; a suspensão de vôos no período de 23 horas às 5 da manhã, regra já utilizada na Europa; e plantio de árvores com altura elevadas de forma a criar uma barreira de som.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.