Brasilienses saem às ruas para pedir paz

A capital federal reuniu neste domingo centenas de pessoas numa passeata pela Paz mundial. Organizada por várias entidades sociais, o ato ocorreu no Eixo Rodoviário (conhecido por Eixão), a principal avenida que corta a cidade e que todos os domingos é fechada para o lazer dos brasilienses. Vestidos de brancos e com bandeiras, faixas e balões nas mãos, os manifestantes pediram o fim da violência e o diálogo para o caminho da paz no planeta, ameaçada pelos atentados terroristas aos Estados Unidos. Entre os participantes da passeata, muitas crianças, jovens, ambientalistas, pais, esportistas, professores, religiosos de vários credos e representantes do corpo de Bombeiros do Distrito Federal. "No início os brasileiros estavam tímidos na reação aos atentados, mas agora as manifestações estão se avolumando cada vez mais com o objetivo de proclamar a todo coração humano, em especial aos dirigentes dos países, que a paz verdadeira surge no crescimento dos valores: diálogo, amor, justiça, solidariedade e paz", disse a religiosa Maria Cevegmami, do Instituto Irmãs Missionárias de Nossa Senhora Consoladora.Para Regina Fittipaldi, pró-reitora de meio ambiente da Universidade da Paz (Unipaz), uma das entidades organizadoras da passeata, é preciso trabalhar pela educação pela paz e reflexão do que é a violência."Todos nós ainda estamos em estado de perplexidade com o que aconteceu nos Estados Unidos", disse Regina. Segundo a presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sinepe), Heloísa Moreira Alves, promotora do ato, mais de 1000 camisetas com o símbolo da pomba da paz foram vendidas durante o evento. Ao final da manifestação, a cantora Célia Porto, acompanhada pelo maestro Rênio Quintas e a violinista Kátia Pinheiro, cantou o hino nacional brasileiro no momento em que centenas de balões brancos foram soltos. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está organizando uma nova passeata pela paz no próximo fim de semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.