''''Bravo'''', Kassab manda tirar alunos de salas de lata

A iminência da volta às aulas na rede de ensino com alunos ocupando sete salas de lata em duas escolas, revelada ontem pelo Jornal da Tarde, provocou ontem mal-estar na reunião do secretariado com o prefeito Gilberto Kassab (DEM). Com um discurso de candidato à reeleição, Kassab determinou ao secretário Alexandre Schneider, da Educação, que os alunos fossem remanejados antes do início das aulas, na segunda-feira. Ele disse também aos demais secretários que os programas que são vitrine da gestão não podem ser maculados com problemas pontuais, citando como exemplo as salas de lata.A gestão dos prefeitos José Serra-Kassab assumiu a Prefeitura com 192 salas de lata nas escolas municipais. A eliminação dessas estruturas metálicas, onde no interior a temperatura no verão costuma ultrapassar os 40 graus, foi adotado como bandeira do atual governo."Ele ficou bem bravo e determinou que nenhuma sala de lata esteja em funcionamento até segunda-feira", admitiu Schneider ao fim da reunião.Não foi a primeira vez que o secretário causou desconforto na cúpula do governo. No fim do ano passado, Kassab já havia ficado indignado com o fato de as creches terem fechado durante as férias pela primeira vez. No início de janeiro, o prefeito obrigou Schneider a reabrir 40 unidades que funcionaram em esquema de plantão na rede municipal.Na reunião, Kassab pediu atenção especial aos secretários para evitar problemas em programas como a criação das unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMAs) e o que prevê a reurbanização de 52 favelas. No total, o prefeito quer inaugurar até o final deste ano 110 AMAs - hoje são 63 na cidade.Os 20 Centros Educacionais Unificados (CEUs) em construção - cinco já foram inaugurados no ano passado - também não poderão sofrer atrasos na conclusão das obras, determinou o prefeito. Kassab declarou que Saúde e Educação não terão falta de verbas este ano.Após o fim da reunião, o prefeito anunciou que o secretário da Assistência Social, Floriano Pesaro, deixará o cargo nas próximas semanas para disputar uma vaga na Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.