Breves

1. RONALDO FRAGA fez chorar até os mais céticos. Montou a nova coleção pensando no risco do giz e trouxe os bonecos do grupo Giramundo para expor vestidos com modelagem ampla.2. DO ESTILISTA, grife de Marcelo Sommer, buscou inspiração em souvenirs holandeses. Modelagens priorizaram as formas arredondadas e tecidos fluidos, como a seda e o georgette. O xadrez foi uma das estampas mais presentes.3. LINO VILLAVENTURA fez uma coleção inteiramente preta e abusou de plissados e nervuras em calças, saias e vestidinhos de recortes geométricos. Algumas peças coloridas apareceram no agradecimento, em casacos de matelassê e camisas.4. ALEXANDRE HERCHCOVITCH desconstruiu peças e as fragmentou. Vestidos assimétricos surgiram com paetês foscos e tachinhas.5. ISABELA CAPETO apresentou tecidos nobres, como a seda, o linho e a organza, ao lado de tricôs e flanela. Correntes aplicadas a tecidos fazem as vezes de escamas de peixe.6. FORUM mostrou roqueiros urbanos com calças de couro e decotes. Num contraste de elementos, uniu túnicas de seda de uma só alça com coleiras.MAGRINHA, a catarinense Bárbara Di Creddo sofria nas quadras de basquete. Nascida numa família de atletas, ela foi descoberta na saída de um treino, aos 14 anos. Pouco tempo depois, a catarinense - hoje com 18 anos - já estava morando entre Nova York e Paris e desfilando para Calvin Klein, Oscar de La Renta, Armani. Pela primeira vez, a modelo veio trabalhar no Brasil. "Não perguntei nem o cachê. Queria trabalhar no meu país."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.