Brigada Militar indicia 15 policiais por tortura a jovens no RS

Abusos aconteceram durante perseguição ao assassino de um PM; eles vão ser afastados da corporação

Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo,

03 de fevereiro de 2008 | 17h51

Quinze policiais militares foram indiciados por tortura no Rio Grande do Sul. Eles são acusados de cometer abusos contra adolescentes durante uma perseguição ao assassino de um sargento. O Inquérito Policial Militar (IPM) foi aberto para investigar abusos de soldados e oficiais da Brigada Militar - a polícia militar gaúcha. No inquérito, quatro PMs foram indiciados por lesões corporais e um por falso testemunho. O resultado da investigação foi apresentado no final da tarde de sábado, 2, pelo comandante da Brigada Militar, coronel Nilson Nobre Bueno. O caso que deu origem ao inquérito ocorreu em 27 de dezembro de 2007, em Flores da Cunha, na serra gaúcha. O sargento Luiz Ernesto Quadros Mazui, de 39 anos, foi morto a tiros pelo gesseiro Valdir Moura, de 41 anos, com quem tinha desavenças.  Um grupo com mais de 40 policiais militares saiu em perseguição ao matador e, nas buscas, entrou na casa dele e agrediu e torturou cinco adolescentes, tendo, inclusive, abusado sexualmente dos jovens. Os nomes dos indiciados não foram divulgados pelo comando da Brigada Militar sob a alegação que o inquérito está em sigilo. Até o julgamento do caso pela Justiça Militar, eles não serão afastados da corporação, mas só trabalharão em atividades administrativas, sem participar do policiamento nas ruas. Se condenados, poderão pegar até 8 anos de prisão e perder suas funções públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.