Brigas no Rio ameaçam crescimento do PV

Considerado o Estado onde a candidatura de Marina Silva tem mais chances de crescer, o Rio de Janeiro é palco de uma briga interna no PV local que pode atrapalhar os planos. São visíveis os desentendimentos entre o pré-candidato da legenda ao governo do Rio, Fernando Gabeira (PV-RJ), e o presidente regional da sigla, o vereador Alfredo Sirkis, que também é coordenador da pré-campanha de Marina.

RIO, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2010 | 00h00

A candidatura de Gabeira será oficializada no domingo, em pré-convenção conjunta dos diretórios regionais do PV, PSDB, DEM e PPS. Sirkis não aceita o acordo com o DEM e o compromisso de apoiar a candidatura do ex-prefeito do Rio, Cesar Maia, ao Senado. Lançou o nome da vereadora Aspásia Camargo como candidata independente.

Ontem, Gabeira subiu o tom. Afirmou ser um contrassenso o PV se insurgir contra decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Existem situações imaginárias de pessoas que estão fora da realidade. A coligação está formada e tem dois candidatos. Não há outro caminho", disse. "As pessoas estão delirando."

O racha no PV do Rio pôde ser medido numa conversa de Aspásia com um assessor, antes do início da coletiva de Marina. A vereadora disse que não se sentaria à mesa para que Gabeira também não se sentasse. Queria evitar polêmica, "porque estamos vivendo uma guerra de guerrilha". Como Gabeira foi convocado por Marina a participar da coletiva, a vereadora, mencionada como dirigente nacional do PV, também se sentou à mesa. / A.J.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.