Brizola queria PTB, mas funda o PDT

O novo partido reunia nomes de destaque, como o sociólogo Betinho e o senador Darcy Ribeiro

Rose Saconi, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2010 | 00h00

Resultado da união de ex-militantes dos antigos Partido Socialista Brasileiro e Partido Trabalhista Brasileiro, ambos extintos em 1965 durante o governo Castelo Branco, o Partido Democrático Trabalhista (PDT) foi fundado no dia 26 de maio de 1980, no Rio.

"PDT, novo partido do grupo brizolista", noticiou o Estado. Entre os fundadores da nova legenda destacavam-se os governadores do Rio, Leonel Brizola, e do Rio Grande do Sul, Alceu Collares, o senador Darcy Ribeiro, o prefeito do Rio, Marcello Alencar, e o deputado federal Jamil Haddad.

A formação do partido ocorreu após articulações simultâneas no Brasil e em Lisboa desde 1979. No exterior, políticos exilados imaginavam a reconstrução do antigo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Do grupo, que tinha Lisboa como ponto de apoio, faziam parte, entre outros, o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, o jornalista Neiva Moreira, o líder camponês Francisco Julião e o deputado estadual Carlos Minc. No Brasil, Darcy Ribeiro, Cibilis Viana, Doutel de Andrade, Alencar Virgílio de Góes e outros articulavam com o mesmo objetivo.

Fracasso. Toda essa mobilização, no entanto, fracassou. A legenda do PTB foi cedida pela Justiça Eleitoral a Ivete Vargas, sobrinha do ex-presidente Vargas. Brizola e seus seguidores acusaram o general Golbery do Couto e Silva, então chefe da Casa Civil no governo de João Baptista Figueiredo, de ser o responsável pela manobra que lhes tirou a sigla.

A solução encontrada foi a criação do Partido Democrático Trabalhista (PDT). Explicava ainda o Estado: "O novo nome facilita uma possível união com o Partido dos Trabalhadores (PT), além de atender a pedido do cardeal d. Paulo Evaristo Arns, que sugeriu pessoalmente a Brizola a inclusão da palavra "democrático" na legenda."

No dia 10 de novembro de 1981, o Tribunal Superior Eleitoral concedeu o registro definitivo do PDT. O fundador e presidente do partido, Leonel Brizola, morreu no dia 21 de novembro de 2004, em um momento que articulava uma frente de seu PDT com o PMDB para atuar nas eleições municipais e na sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006.

Em entrevista ao Estado durante o velório, o então presidente do PSDB, José Serra, resumiu o momento: "Fecha-se hoje um ciclo no Brasil, um volume da história nacional da era do trabalhismo mais autêntico de Vargas. Brizola encarnava este tipo de trabalhismo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.