Bruno Covas vai a prévias 'irreversíveis'

Com 4 pré-candidaturas, PSDB só espera confirmação de que Serra não será candidato para começar debate, diz presidente municipal

DAIENE CARDOSO, AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2011 | 03h08

Deputado estadual mais votado em São Paulo, o secretário de Meio Ambiente, Bruno Covas, oficializou ontem sua pré-candidatura à Prefeitura pelo PSDB. Agora são quatro pré-candidatos referendados pela executiva estadual - além de Bruno, José Aníbal, Ricardo Tripoli e Andrea Matarazzo. O presidente do diretório municipal, Júlio Semeghini, dá como inevitável a realização de prévias.

"Dificilmente não teremos prévias. Um acordo é muito difícil, é praticamente impossível neste momento", disse Semeghini, após evento em que Bruno anunciou a pré-candidatura. O próprio secretário, contudo, admitiu que há uma hipótese de abrir mão da pré-candidatura. "Se o (ex-governador José) Serra quiser ser candidato, ele está num patamar acima de todos."

Serra precisa anunciar formalmente que não pretende disputar a eleição municipal para que o partido comece a debater as prévias. "Deixando claro que não é candidato, o partido se preparará para os novos desafios", afirmou Semeghini. Serra poderá se manifestar até um mês antes da realização das prévias.

De acordo com o presidente do diretório municipal, sem o fator Serra, a escolha do candidato por votação interna é consenso entre os caciques tucanos. "Existe uma grande unidade que há muito tempo não se construía", ressaltou Semeghini.

Os quatro pré-candidatos já foram referendados pela executiva estadual do partido e devem passar agora pela executiva municipal. As prévias devem ocorrer entre dezembro e março. "Não estamos preocupados se o PT vai lançar candidato antes ou não. A gente quer estar muito unido", ressaltou Semeghini.

Em evento no diretório estadual, Bruno Covas disse viver mais tempo em São Paulo que na sua terra natal, Santos. "Só não tinha devidamente formalizado o meu domicílio eleitoral. Agora tenho. Agora sou paulistano por inteiro", disse. Acompanhado da mãe, Renata Covas, e do tio Mario Covas Neto, o Zuzinha, chegou à sede do diretório estadual aos gritos de "prefeito".

Em discurso, ressaltou sua ligação com o avô, o governador Mário Covas. O tucano também defendeu a bandeira da renovação na política e disse estar motivado para disputar o pleito com outros novatos: "Isso marca o grande diferencial da eleição do ano que vem: pessoas novas, novas ideias e propostas".

Mudança. Semeghini esteve ontem na casa do senador Aloysio Nunes Ferreira para saber se o parlamentar, pressionado pelo grupo serrista, realmente não será candidato. Aloysio, que antes se encontrara com Alckmin, reafirmou que não mudará o título do interior para a capital. "É uma posição muito coerente. Fortalecerá as prévias, pois não deixa dúvidas sobre sua intenção de não disputar", disse Semeghini. / COLABOROU JULIA DUAILIBI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.