Bruno presenciou sequestro e assassinato, diz polícia mineira

Autor do homicídio de Eliza foi identificado como um ex-policial de BH, que já teve prisão pedida

Tiago Dantas, do Jornal da Tarde

08 de julho de 2010 | 12h34

Segundo delegado, este é o retrato do ex-policial acusado. Foto: José Patrício/AE  

 

BELO HORIZONTE - O goleiro do Flamengo Bruno Fernandes presenciou o sequestro e o assassinato da sua ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos, segundo a polícia mineira. O autor do homicídio foi identificado como Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, Paulista ou Neném, um ex-policial civil que vive em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), onde o crime ocorreu.

 

Veja também:

linkBruno e Macarrão são transferidos para prisão em Bangu

linkOssos de Eliza foram concretados, diz menor

linkBruno: 'Copa de 2014 acabou'

especialCronologia do caso

 

A polícia já pediu a prisão preventiva de Santos, mas a Justiça ainda não decidiu a ação. As conclusões da polícia foram tiradas a partir dos depoimentos de duas testemunhas: o adolescente J., de 17 anos, primo do goleiro, e Sérgio Rosa Sales, conhecido como Camelo, também primo do atleta.

 

"Bruno é um ídolo como goleiro do Flamengo, mas se mostrou um monstro pelo que fez com essa moça", afirmou o delegado Edson Moreira. "Foi um crime premeditado, planejado e friamente executado." Ainda segundo o delegado, após queimar a mala de Eliza, o goleiro foi tomar cerveja.

 

Os investigadores cruzaram também informações de outras testemunhas e do registro de entrada e saída de carros do sítio de Bruno. Eliza foi morta por estrangulamento, com as mãos e os pés amarrados, de acordo com a polícia.

 

A Justiça concedeu a guarda provisória do filho de Eliza, que estava com Luiz Carlos Samudio, para a mãe da estudante, Sônia Moura.

 

Nova defesa. O advogado Michel Assef Filho abandonou a defesa do goleiro após a suspensão do contrato do atleta com o Flamengo. "Eu o representava porque ele era jogador do clube. Após a suspensão do contrato, surgiu o conflito de interesse", disse.

 

De acordo com ele, Bruno reagiu bem e entendeu a desistência do caso por parte de um dos maiores escritórios de advocacia do Rio de Janeiro. "Bruno está sendo bem tratado e está bem", limitou-se a dizer o advogado sobre o estado do jogador.

 

Assef Filho anunciou ainda que o novo advogado de Bruno é Ércio Quaresma, que já defende a mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues, e o amigo dele Luiz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão, que foi preso junto com o jogador no fim da noite de ontem.

 

Apesar de a polícia ter informado que Bruno e Macarrão se negaram a dar declarações, Assef Filho reafirmou que o jogador prestou depoimento e disse desconhecer o sequestro da ex-amante.

 

(Com Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Bruno FernadesEliza Samudio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.