Bufê acusado de lesar noivas quer reabrir

Advogado diz que donos não são estelionatários e que dívidas serão pagas

Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

16 Fevereiro 2009 | 00h00

Os advogados do Buffet Delphos, em Moema, na zona sul de São Paulo, informaram ontem que contrataram uma empresa especializada em regularização de imóveis para a reabertura do estabelecimento, fechado pela Prefeitura em 28 de novembro do ano passado por falta de alvará. Ontem, foi mostrado o drama de casais de noivos que pagaram pela festa de casamento e não foram ressarcidos quando o local fechou. Por telefone, o advogado Getúlio de Carvalho, representante da Delphos, disse que espera reabrir as portas do bufê o quanto antes. "Pretendemos abrir até final de março. Pode demorar dois, três meses", afirmou. Segundo Carvalho, ainda hoje, ele vai encaminhar à Polícia Civil documentos mostrando que três casais e uma empresa já estão sendo pagos. Essas vítimas teriam marcado festas de casamento e de confraternização entre dezembro de 2008 e janeiro deste ano. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), 30 noivas registraram ocorrências do já chamado "golpe do véu" no 96º Distrito Policial (Brooklin) por estelionato. "Não é justo chamar os donos do bufê de estelionatários. O que passou, passou, agora vamos consertar os erros. Ninguém está fugindo ou fazendo nada errado", disse Carvalho. Ainda segundo o advogado do bufê, as noivas com festas marcadas para novembro foram "injustas" ao dizer, na reportagem, que foram lesadas. "Ainda não há crime de estelionato", disse. O advogado afirmou que no caso da psicóloga Érica Burgos, de 32 anos, o processo de ressarcimento está começando. "Sentamos com o advogado dela e estamos em conversa." Érica se casou em janeiro em outro bufê. Ela havia pago, à vista, R$ 14 mil pela festa. O Buffet Delphos, na Rua Tuim, também foi fechado por infringir as normas de silêncio. De acordo com o advogado, uma das sócias do bufê, Claudia Cíntia Ciampi Bendilati, está doente e com forte crise emocional. Segundo Carvalho, ela não consegue atender os clientes e por isso os advogados têm negociado com as noivas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.