Busca acaba na costa da África

França e Espanha encerraram ontem as buscas na costa africana, após localização dos destroços do Airbus A330, a aproximadamente 700 quilômetros do Arquipélago de Fernando de Noronha (PE). O aviso de encerramento das operações no local, concentradas anteriormente no litoral do Senegal, foi enviado ao Serviço de Salvamento Aéreo (Salvaero) de Recife na noite de anteontem, segundo informou a Aeronáutica. Como serviço de apoio às operações de resgate da FAB, a França mantém um avião Awacs, equipado com radar, para realizar voos regulares no limite entres os espaços aéreos brasileiro e senegalês. O Falcon 50, destacado pela França, também continua à disposição da Aeronáutica, na base aérea de Natal (RN). As buscas pela caixa-preta do Airbus terão auxílio de um sistema da empresa francesa Acsa, especializada em acústica submarina, segundo o jornal La Provence. O sistema utiliza boias submersas capazes de receber sinais emitidos pelas caixas-pretas e de determinar a localização do sinal, utilizando GPS. A caixa-preta emite sinais por 30 dias - por isso a importância de detectá-los rapidamente, a fim de delimitar uma zona de resgate. O equipamento de buscas é transportável por avião e pode chegar em até oito horas à Ilha de Cabo Verde, de onde seguiria para a área do acidente. É fundamental um estudo prévio para determinar o lugar mais provável da localização da caixa-preta. Novamente, nesse caso, torna-se necessário saber as condições do clima e das correntes oceânicas durante o acidente para obter as coordenadas que ajudam a determinar o espaço no qual a caixa-preta deve ser procurada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.