Buscas continuam por prazo indeterminado, diz FAB

Mais objetos que poderiam ser destroços foram avistados a cerca de 950 km de Fernando de Noronha

Central de Notícias,

15 de junho de 2009 | 18h33

O tenente-coronel da Aeronáutica Henry Munhoz afirmou, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 15, que os trabalhos de busca por corpos e de recolhimento de destroços do voo 447 da Air France serão mantidos por tempo indeterminado. "As buscas continuam, mas a cada dois dias serão realizadas reuniões para avaliar a viabilidade e a logística necessárias para a manutenção das operações, durante o tempo que for julgado necessário", declarou.

 

Veja também:

linkAir France desativa centro de assistência em hotel do Rio

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

videoSubmarino francês no resgate à caixa-preta

video Vídeo: Operação de resgate

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

Militares a bordo de aeronaves avistaram mais destroços em um ponto do Oceano Atlântico a cerca de 950 quilômetros de Fernando de Noronha. A área é próxima a uma região onde foram encontrados partes do Airbus A330 da Air France anteriormente. Não houve a localização de mais corpos.

 

Os últimos seis encontrados pela Marinha francesa foram transferidos para a Fragata Bosísio. A embarcação deverá chegar ao arquipélago na manhã desta terça, 16. Atualmente, mais de mil militares estão envolvidos na operação de busca por destroços e corpos - 761 da Marinha e 250 da Aeronáutica.

 

Segundo os relatos sobre os trabalhos, o mar esteve calmo durante todo o dia, mas o militar ressaltou que as condições climáticas na região costumam ser bastante instáveis. Munhoz contou ainda que a Aeronáutica e a Marinha já fizeram varreduras em uma área equivalente a cinco vezes o Estado de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.