Buscas na construção do metrô continuam na madrugada

Por volta das 1h30 da manhã funcionários subiram na grua, uma espécie de guindaste que está fixo no canto de obras do metrô de São Paulo que desabou na última sexta-feira, para fixar quatro cabos de aço e dar sustentação ao guindaste. Além disso, três escavadeiras estão no local preparando plataformas para que uma retroescavadeira possa entrar e ajudar os bombeiros na busca do microônibus. Equipes do Corpo de Bombeiros passaram o sábado à procura de sete possíveis vítimas, sendo dois pedestres, um caminhoneiro e quatro pessoas em uma van.Durante o dia, ao menos um caminhão e dois carros foram retirados do local. No momento do acidente, no meio da tarde de sexta-feira, vários veículos tombaram e os edifícios Passarelli, que abriga 16 empresas, e da Editora Abril, além de residências no local, foram esvaziados.O acidente levou à interdição de diversas casas na região e do tráfego de uma das principais vias da maior cidade do País. E o rodízio pode ser suspenso antes do término das férias.

Agencia Estado,

14 de janeiro de 2007 | 03h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.