Butantã lidera pedidos para tapar buraco

Em sete meses deste ano foram tapados 411 mil buracos na cidade. A Prefeitura calcula que 2.245 tenham sido fechados por dia e, entre as 31 subprefeituras, a do Butantã (3.468) e a de Pinheiros (3.384) lideram as reclamações por telefone. Foram quase 7 mil ligações de moradores das duas regiões. Luiz Eugênio de Mello Dall?Olio, de 61 anos, colaborou com três ligações. Morador da Rua Matheus Grou, em Pinheiros, zona oeste, o administrador tem três "crateras" bem perto de sua casa. "Os buracos apareceram no final do ano passado, depois de uma obra da Sabesp. O chão começou a ceder nos locais onde foi reformada a rede de esgoto." Presidente da associação de moradores da rua, ele afirma ter enviado uma carta à subprefeitura e aguarda providências. "Tenho ódio de pagar os impostos e ver a rua afundando", afirma a comerciante Ana Lúcia Gama, de 65 anos, outra moradora da Matheus Grou. O secretário da Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, afirma que os buracos abertos por concessionárias de serviços públicos, como Sabesp e Comgás, devem ser fechados pelos responsáveis pelas obras. As duas empresas afirmam que todas as intervenções são notificadas à Prefeitura e que após concluído o reparo a reposição do asfalto é paga por elas. Caso não seja notificada das intervenções na malha viária, a Prefeitura pode aplicar multa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.