Cabo da Marinha é indiciado por acidente com lancha no Rio

O cabo da Marinha Marcos Manoel Correia Cavalcante foi indiciado hoje por homicídio e lesões corporais culposos pelo acidente com a lancha Pimba Pimbinha que matou o estudante Gabriel Borges Soares, de 16 anos, e provocou a amputação das pernas da professora Andréa Salgado, de 33, na semana passada em Itacuruçá. Em depoimento ao delegado Antenor Martins Júnior, da 165.ª Delegacia Policial (Mangaratiba), ele disse que não estava bêbado nem acionou nenhum comando da embarcação. A versão é oposta à do piloto da lancha, Armelindo Corrêa de Miranda, já indiciado, que o acusou de estar bêbado e de ter acelerado o barco por engano. ?Eu indiciei os dois por homicídio e lesões corporais culposos. Estou convencido de que a conduta de ambos contribuiu para o resultado?, afirmou o delegado. Ele disse que a maioria das 15 testemunhas confirma a versão do piloto. ?A prova pericial de que o cabo estava bêbado não pode mais ser produzida, mas há farta prova testemunhal de que ele estava embriagado?, disse Antenor. Outras quatro testemunhas ouvidas hoje confirmaram a versão. Além de Miranda, uma segunda testemunha, que pilotava outro barco, disse ter visto o cabo acionar o acelerador da lancha. Cavalcante, segundo o delegado, acusou Miranda de ser o responsável pelo acidente por ter abandonado o comando da embarcação.Hoje, Andréa recebeu a visita do velejador Lars Grael, que teve uma das pernas amputada em 1998, após ter sido atropelado por uma lancha, como a professora. Ela deve ter alta no sábado do Hospital das Clínicas de Jacarepaguá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.