Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Cabos de energia viram panelas em MG

Catorze detetives esquadrinham háseis meses os rincões de Minas Gerais. Contratados pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), eles perseguem quadrilhas de ladrões e receptadores de cabos de alumínio,responsáveis pelo sumiço de 150 quilômetros de fios da rede de transmissão só neste ano. O destino? O material é revendido parafabricantes de panelas.A CPFL Energia, cujas subsidiárias Paulista ePiratininga distribuem eletricidade para o interior de São Paulo, também recorre a empresas de segurança para proteger sua malha. Nos últimos três meses, os roubos somaram 50 quilômetros."O roubo de cabos provoca interrupções no fornecimento e oscilações na tensão, prejudicando o fornecimento de energia", afirma o superintendente de Distribuição da Cemig, César Vaz de Melo."O prejuízo ao nome da empresa é enorme, pois os cortes de energia realizados pelos ladrões de cabos passam, para o consumidor, a imagem de um descuido da empresa com a manutençãode seus sistemas", acrescenta o diretor de Operações da CPFL, Otávio Luiz Rennó Grilo.O alvo dos ladrões é o cabo neutro, que tem o interior de aço e uma cobertura de alumínio, que chama a atenção dos ladrões. Os materiais roubados são encaminhados para sucateiros,que os revendem para fábricas de panelas. Embora organizadas, as quadrilhas agem com improvisação.Em Sete Lagoas, os ladrões chegaram vestindo camisetas com o nome da empresa escrito à mão,identificaram-se como funcionários da Cemig e retiraram os cabos sem problemas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.