Cabral lidera disputa no Rio, indica Vox Populi

Cabral lidera disputa no Rio, indica Vox Populi

Candidato à reeleição, governador do Rio tem 38% das intenções de voto, à frente de Garotinho (20%) e Gabeira (18%), tecnicamente empatados

Luciana Nunes Leal / RIO, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2010 | 00h00

Pesquisa do Instituto Vox Populi mostra o governador Sérgio Cabral (PMDB), candidato à reeleição, na liderança das intenções de voto no Rio de Janeiro, com 38%. O ex-governador Anthony Garotinho (PR) ficou em segundo, com 20%, tecnicamente empatado com o deputado Fernando Gabeira (PV), com 18%.

Ainda de acordo com a pesquisa, encomendada pelo jornal O Dia, os votos em branco ou nulos somam 15%. E 9% dos entrevistados não responderam.

Cabral é o candidato com menor índice de rejeição, ou seja, de eleitores que não votariam nele. Foram 9% dos entrevistados. Garotinho teve 32% de rejeição e Gabeira, 22%. Votariam em qualquer um dos candidatos 12% dos entrevistados e 15% não sabem ou não responderam.

A pesquisa mostra oscilação de um ponto para baixo de Cabral e repete os porcentuais de Garotinho e Gabeira medidos pelo mesmo Vox Populi no Rio de Janeiro, em pesquisa de janeiro deste ano, encomendada pela TV Bandeirantes. Na ocasião, foram entrevistadas 800 pessoas e a margem de erro era de 3,5 pontos porcentuais. O presidente do instituto de pesquisa, João Francisco Meira, disse que os resultados podem ser comparados.

Garotinho reagiu aos números do Vox Populi. O ex-governador disse ter pesquisas internas que o colocam oito pontos porcentuais atrás de Cabral, e não dezoito, como mostra o levantamento do instituto mineiro. "É possível que tenham errado nas áreas pesquisadas. Devem ter feito pesquisa em Juiz de Fora", ironizou o pré-candidato do PR. Garotinho diz ter 26% das intenções de voto, com 34% para Cabral. "Só posso comentar pesquisas registradas na Justiça Eleitoral e publicadas", respondeu o presidente do Vox Populi.

Presidente da Assembleia Legislativa do Rio, o peemedebista Jorge Picciani, pré-candidato ao Senado na chapa de Cabral, afirmou que as pesquisas internas do PMDB têm números semelhantes aos da pesquisa publicada pelo O Dia.

"Garotinho está há um ano parado em 20%", afirmou Picciani. "A rejeição baixa de Cabral vem se mantendo. E o governo tem apresentado bons resultados. A tendência é caminhar para a vitória no primeiro turno."

Cabral também venceria no segundo turno se o adversário fosse Garotinho (45% a 24%, com 21% de brancos e nulos e 10% que não responderam) ou Gabeira (50% a 21%, com 19% de brancos e nulos e 10% sem resposta). No caso de o governador ficar fora do segundo turno, 30% dos entrevistados disseram que votariam em Garotinho e 29% em Gabeira. Haveria 28% de votos brancos ou nulos e 13% não responderam. Foram entrevistados mil eleitores entre os dias 20 e 22 de março, na capital e em 29 cidades fluminenses. A margem de erro é de 3,1 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Emenda Ibsen. O levantamento publicado ontem foi feito depois da aprovação da emenda Ibsen Pinheiro, que modificou os critérios de distribuição de royalties do petróleo e tirou do Rio de Janeiro mais de R$ 7 bilhões anuais e provocou reação imediata do governador Cabral. "A emenda poderia ter causado dano à imagem do governador, mas ele reagiu bem", diz João Francisco Meira.

Segundo ele, apesar da vantagem, não é possível falar em vitória no primeiro turno neste momento, já que há potencial de crescimento para todos os candidatos. Meira diz que um dos indicativos do grau de competitividade dos governantes que tentam a reeleição é o grau de aprovação do governo. O registro da pesquisa do Vox Populi feito no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio indica que também foi aferida a popularidade dos candidatos, mas o resultado ainda não foi publicado pelo jornal O Dia.

Na pesquisa de janeiro, Cabral teve 43% de aprovação (8% de ótimo e 35% de bom). "Cabral está em posição competitiva, mas que depende de muitos outros fatores", diz Meira. Em geral, os analistas de pesquisas consideram que a posição mais confortável para governantes que tentam reeleição é acima de 50% de avaliação positiva. O Vox Populi também perguntou aos eleitores sobre intenção de voto para presidente da República, mas os resultados não foram divulgados.

Teto. No twitter, o ex-prefeito Cesar Maia, pré-candidato do DEM ao Senado na chapa de Gabeira, avaliou que Cabral atingiu "o teto" de intenções de voto, enquanto os pré-candidatos do PR e do PV estão "no piso". Gabeira disse que tem por hábito não comentar pesquisas eleitorais.

Segundo João Francisco Meira, nos casos de reeleição, o eleitor tende a avaliar inicialmente se há necessidade de mudança no governo ou não. "A tendência de continuidade já era grande antes do instituto da reeleição. A primeira consideração do eleitor é que custa caro trocar, se o governo está razoável, porque o outro eleito vai levar pelo menos um ano até se organizar e começar a governar", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.