Cabral quer aumentar efetivo da PM no Rio até 2010

O governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), indicou neste domingo que pretende dobrar o efetivo da Polícia Militar no Rio de Janeiro até o fim do seu mandato. Fazendo um balanço de seus 100 primeiros dias no Palácio Guanabara em texto divulgado ontem no site do governo do Estado, Cabral admite o aumento dos índices de criminalidade registrados no início do seu mandato. No entanto, ele argumenta que não poderia modificar em tão pouco tempo o quadro herdado da gestão anterior (de Rosinha Matheus), cuja última semana foi marcada por uma onda de ataques criminosos. "Claro que estamos atentos aos índices, ainda altos, de violência. Pegamos um processo de recrudescimento da criminalidade em andamento e não teríamos como reverter isso em tão pouco tempo", justificou o governador. "Estamos trabalhando com ações contundentes e de inteligência. Não tenho qualquer ilusão quanto aos resultados, que virão através de uma política de segurança profissional, baseada na eficiência, no médio e longo prazos". Estatísticas De acordo com as estatísticas divulgadas pelo Instituto de Segurança Pública do Rio, o número de homicídios cresceu 9,6% em janeiro, na comparação com o ano anterior. Também subiram crimes como roubo a pedestres ( 24,8%) e em ônibus (10,4%). Recém-chegado de uma viagem à França, o governador citou o que viu em outra viagem internacional (esteve em Bogotá, na Colômbia, em março) para defender a necessidade de dobrar o efetivo da polícia na capital. Segundo Cabral, o governo estadual está se organizando para se tornar capaz, do ponto de vista fiscal, de fazer tal investimento. Está em curso uma seleção da PM do Rio para a contratação de dois mil novos policiais para a capital. "Pegamos um efetivo muito baixo. Em Bogotá, há um número semelhante de habitantes ao do Rio (6,5 milhões). Lá existem 22 mil policiais, enquanto aqui, para todo o estado, (92 municípios), temos 39 mil. Na cidade do Rio, que vive uma situação complicada, temos apenas nove mil policiais, quando deveríamos ter 18 mil, ou seja, o dobro", afirmou o governador.

Agencia Estado,

08 Abril 2007 | 17h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.