Cabral quer inteligência e menos violência policial no Rio

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), disse na quinta-feira que sua política de segurança priorizará a inteligência. Para Cabral, investigação, ao contrário do simples enfrentamento entre polícia e criminosos, leva a mais prisões e menos mortes. "Acho que a Polícia Militar tem de buscar eficiência. E eficiência é combater o crime. Se possível, combater com inteligência. O caminho tem que ser a inteligência", afirmou o governador, ao comentar levantamento feito pelo Estado, que mostra que uma pessoa morreu em cada 16 prisões realizadas pela polícia do Rio em 2007. Em São Paulo, a relação é de 151 prisões por morte.Cabral disse que a investigação deve ser feita não apenas com o objetivo de aumentar o número de prisões. Para ele, os setores de inteligência têm de estar voltados para a prevenção do crime. "O papel da investigação é impedir a chegada de drogas e armas. Este tem que ser o papel. O Gabinete de Gestão Integrada vai trabalhar com a inteligência. Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Forças Armadas, Polícia Militar, todas essas instituições têm inteligência", afirmou.O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, foi reticente ao comentar o levantamento. "Temos que estudar caso a caso e ver se efetivamente houve resistência e se a ação dos policiais foi necessária. Na medida em que fizermos a capacitação dos profissionais, essa questão será abordada." Colaborou Clarissa Thomé

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2007 | 10h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.