Cabral quer segurança integrada com Forças Armadas

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, informou nesta terça-feira que pediu uma reunião esta semana entre os três comandantes das Forças Armadas - Exército, Marinha e Aeronáutica - e o secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame. Ele quer que as Forças Armadas implementem um sistema de vigilância "extramuros" em suas unidades no Rio. "Creio que é um trabalho que as Forças Armadas possam fazer sem necessidade de deslocamento e isso reforça a presença de policiamento nas ruas", disse o governador.A proposta foi feita pelo secretário de Segurança e permite o deslocamento de efetivo da polícia para outras regiões. Cabral informou ainda que a Força Nacional de Segurança Pública deve começar a atuar no Estado ainda antes do carnaval. Segundo ele, em encontro realizado nesta segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se mostrou preocupado com as barbáries cometidas por criminosos no Rio e em São Paulo.Cabral também defendeu o endurecimento do código penal brasileiro. "O bandido tem que saber que, ao matar um inocente, vai pagar mais caro por isso", afirmou o governador, sugerindo que o tema seja prioridade no Congresso. Ele participou nesta terça-feira da cerimônia de posse do novo comandante do Corpo de Bombeiros do Rio, coronel Pedro Machado.Reforço"Estou convencido de que a Força Nacional de Segurança deve vir para o Rio de Janeiro. Quantidade, local e data vão ser definidos na reunião entre o Beltrame e o Luiz Fernando Corrêa", afirmou Cabral. A presença de homens da força no Estado estava prevista para o período dos Jogos Pan-Americanos, de 13 a 29 de julho. Mas depois da onda de violência deflagrada por facções criminosas no Rio no dia 28 de dezembro, cujos ataques a alvos policiais e civis deixaram 19 mortos, o governador decidiu pedir a antecipação de sua presença. Cabral voltou a defender um endurecimento da legislação contra o crime organizado. "O Congresso tem que agir urgente, urgentíssimo. Temos que começar o ano com essa agenda prioritária. Bandido, marginal, tem que saber que ao matar vai pagar caro por isso."(Matéria atualizada às 14h24 com acréscimo de informações da Agência Reuters)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.