Cabral troca comando da Polícia Militar

Medida é tomada dois dias após assassinato de professora na zona sul

Marcelo Auler, RIO, O Estadao de S.Paulo

08 Julho 2009 | 00h00

O coronel Mário Sérgio de Brito Duarte assume hoje o comando da Polícia Militar do Rio. Trata-se do terceiro comandante da PM em dois anos e meio de gestão do governador Sérgio Cabral Filho (PMDB). O coronel Gilson Pitta Lopes foi exonerado ontem, após 17 meses no cargo. O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, também já trocou uma vez o chefe de Polícia Civil e substituiu dois subsecretários. A troca do comando da PM aconteceu dois dias após o assassinato da professora Cássia Baruque em tentativa de assalto em Botafogo, na zona sul. O crime aconteceu pouco depois de um carro da PM ter deixado a Praça Radial Sul, onde o veículo dela estava estacionado. Na segunda-feira, o Ministério Público Estadual denunciou à Justiça 30 PMs pelo assassinato de 20 pessoas durante operações policiais. Os casos ocorreram em 2007 e 2008 e foram classificados como "autos de resistência", forma como são registradas as mortes em supostos confrontos com a polícia. Ontem, o juiz Fábio Uchôa, do 1º Tribunal do Júri, aceitou denúncia contra 2 dos 30 PMs denunciados. Os policiais Ricardo Berto de Carvalho e Odilon Rodrigues Siqueira foram acusados do assassinato de Sandro Fortunato, ocorrido na favela Beira Rio, em 2007. Os PMs poderão aguardar o julgamento em liberdade. Não foram as denúncias que influenciaram a decisão, disse Beltrame. Ele afirmou que o coronel "não merece nenhum tipo de crítica". Para o secretário, Mário Sérgio Duarte - que presidia o Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão responsável pelas estatísticas de criminalidade - dará velocidade à corporação. Os planos do novo secretário serão anunciados hoje, na posse. Seu principal objetivo, segundo Beltrame, será "reduzir o efetivo aquartelado, promovendo maior visibilidade dos policiais nas ruas". A PM do Rio tem cerca de 38 mil homens. Recentemente, a Assembleia Legislativa aprovou a contratação de mais 22 mil. Para 2009 e 2010 está prevista a incorporação de 7 mil novos praças. COLABOROU CLARISSA THOME

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.