Reprodução
Reprodução

Caça a espiões alemães no Brasil começou antes do conflito

Polícia política de Getúlio Vargas prendeu membros da inteligência alemã antes de o País declarar guerra

25 Agosto 2012 | 15h45

Muito antes que o Brasil rompesse relações com o Eixo (Alemanha, Itália e Japão), em 28 de janeiro de 1942, a Abwehr, o serviço de inteligência militar alemão, já operava redes de espionagem a partir da comunidade germânica no Brasil. E, muito antes da declaração de guerra, em 22 de agosto, a maior parte dos integrantes já tinha sido presa pela polícia política de Getúlio Vargas. Segundo a historiadora Priscila Ferreira Perazzo, pesquisadora da espionagem alemã no Brasil na 2.ª Guerra, isso ocorreu porque a ação dos espiões já era monitorada havia anos.

"De 1939 a 1941, polícia e Itamaraty sabiam o que estava acontecendo, ficaram só monitorando esses grupos", conta. "No início de 1942, a polícia sai numa caça. No primeiro semestre, essas redes são desmontadas." Duas grandes operaram no Brasil. Uma foi chefiada por Niels Christian Christensen e tinha ligações com Rio e São Paulo; a outra era articulada por Gustav Engels, executivo da empresa alemã AEG, com ligações no Rio, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Espiões alemães também agiam em outros Estados. Informações eram passadas à Alemanha por radiotransmissores clandestinos.

Um deles foi descoberto em 1942 com Frank Walter Jordan, no Rio. Em depoimento no Tribunal de Segurança Nacional (TSN) - com todas as reservas que merecem provas obtidas no Estado Novo, quando a tortura era corriqueira -, ele confessou ser espião. Ao delegado Aládio Andrade do Amaral, da Delegacia Especial de Segurança Política e Social (Desps), contou em agosto ser filiado ao partido nazista e ter integrado a marinha alemã, da qual teria sido excluído por se envolver em briga. Disse que, após viagem aos Estados Unidos, foi recrutado para o serviço secreto. Foram dois meses isolado, vivendo em hotéis, estudando criptografia e aprendendo a se disfarçar. No fim de 1940, foi mandado ao Brasil, onde deveria procurar algumas pessoas. Embarcou em Paris, levando uma estação transmissora. Acabou condenado pelo TSN.

Depois da guerra, espiões tiveram penas reduzidas e foram soltos. Segundo Priscila, a ação deles se deu em um quadro em que Vargas passara a reprimir comunidades estrangeiras que mantinham no País vida e cultura próximas das de suas nações de origem. / WILSON TOSTA

Mais conteúdo sobre:
O Brasil em Armas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.