Caça a ''''famosos'''' para vaga na Câmara

Partidos fazem cerco para filiar ?celebridades?; prazo acaba 6.ª-feira

Alexssander Soares e Bruno Paes Manso, O Estadao de S.Paulo

03 Outubro 2007 | 00h00

Sexta-feira, 5 de outubro. A data não representa muito para os eleitores paulistanos, mas é decisiva para os caça-celebridades dos partidos políticos arrumarem puxadores de votos para a eleição municipal que acontecerá justamente um ano depois. Os interessados na disputa eleitoral de 2008 devem se filiar a algum partido político até sexta-feira. Os contatos de celebridades passaram a ser disputados não só por paparazzi, como também por dirigentes partidários. "Tem uma mulher que não pára de me ligar para oferecer a vaga", diz Sabrina Sato, apresentadora do Pânico na TV, da Rede TV!, que ainda não decidiu se vai ou não entrar na disputa ou se filar a alguma sigla. Ela conta que já foi procurada por três partidos: PPS e PR são dois deles. "O terceiro acho que é o Partido dos Democratas." Questionada se mencionava o partido do prefeito Gilberto Kassab, ela disse que não sabia. "Ai, meu Deus. Não entendo nada de política." Na caça às celebridades, vale tudo. Até dirigente partidário alegar que o famoso procurou a sigla, e não o contrário. "Ela (Sabrina) nos procurou porque seu avô foi vereador por 28 anos em Penápolis (noroeste paulista)", disse um integrante do PPS. Enquanto os caça-celebridades disputam as fichas de filiações dos famosos, a direção do PTB já exibe uma relação de filiados - e possíveis candidatos à Câmara Municipal - para todos os gostos. O partido pretende lançar uma chapa completa com 83 candidatos a vereador em outubro de 2008, misturando antigos filiados com com novos partidários do mundo artístico e desportivo. A modelo Renata Banhara, o cantor Rafael Ilha, o estilista Ronaldo Ésper e a vedete Marly Marley, jurada do programa de calouros de Raul Gil, na Band, são os novos filiados petebistas da fileira artística. "Fui convidada pelo Campos Machado (presidente estadual do partido) e pelo Frank Aguiar (ex-marido e atual deputado federal pelo PTB). Nunca pensei em ser candidata a vereadora, mas o artista conhece muito bem o País,", afirmou Renata. Ela pretende se inspirar politicamente no deputado federal cassado Roberto Jefferson (PTB-RJ), que segundo ela "é um herói por ter denunciado o mensalão em Brasília". O ex-Polegar Rafael Ilha e Marly Marley também foram caçados por Campos Machado. Ilha já havia sido convidado pelo PMDB e pelo PSC. Ele conta que entrou em contato com a política depois de analisar um projeto sobre prevenção às drogas nas escolas a convite do vereador Adílson Amadeu(PTB). Atualmente, Ilha tem duas clínicas de reabilitação para dependentes químicos, com 90 pacientes. "Não vou prometer empregos. Quero criar clínicas gratuitas para os mais pobres. As drogas são o mal do século e quero enfrentar o problema." Já Marly Marley pretende cuidar dos mais velhos. Ela conta que se filiou ao PTB pelas boas lembranças que guarda da ex-deputada Ivete Vargas. Mesmo sem muito dinheiro para a campanha, diz que buscará votos no boca-a-boca. "Sou muito assediada. Se eu pedir voto para todas as pessoas que vêm me beijar na rua, quem sabe eu seja eleita." O atual marido de Ana Maria Braga, Marcelo Frisoni, vai concorrer pelo PMDB. "A Ana Maria diz que está animada para fazer reuniões com mulheres na periferia. Caso faça, esperamos que Frisoni chegue aos 200 mil votos", diz Alberto Haddad, presidente do diretório municipal do PMDB. Os esportistas, como sempre acontece, também terão bastante espaço. O PPS aposta no ex-goleiro do Corinthians Ronaldo Soares Giovanelli como o principal puxador de votos do partido. Os dirigentes estimam que o corintiano tenha pelo menos 50 mil votos. Ele disputa a preferência da Fiel com o ex-atacante Dinei (PDT). O PTB também vai buscar votos do eleitor-esportista filiando nomes como a ex-jogadora de basquete Marta ou tentando até o último ponto convencer a ex-jogadora de tênis Vanessa Menga. "Assinei a ficha de filiação ontem (anteontem), mas vou comunicar ao deputado Campos Machado que não posso ser candidata porque quero me dedicar a um projeto social e a um programa de TV", disse Vanessa. Os dirigentes do PR - que resultou na fusão do PL e do Prona - querem seguir a linha dos caça-celebridades. O partido filiou o transformista Léo Áquilla. Os republicanos ainda contam com o apoio do apresentador Clodovil Hernandez, que deve participar da campanha como garoto-propaganda do partido, já que pretende sair candidato a senador em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.