Cadeia de Americana poderá ser interditada

O juiz corregedor de Americana, André Carlos de Oliveira, instaurou procedimento para a interdição da cadeia da cidade, atendendo a solicitação do Ministério Público. Oliveira não quis falar com a reportagem, mas seus assessores informaram que ele irá aguardar laudos e relatórios solicitados à direção da cadeia, antes de decidir que medidas serão tomadas. Os assessores informaram que, a partir da avaliação do juiz corregedor, poderá ocorrer a interdição parcial ou total da cadeia, que tem capacidade para 325 presos mas atualmente abriga 550. Desde terça-feira, o local está recebendo apenas criminosos de Americana e Nova Odessa, conforme determinação de Oliveira. Ainda segundo os assessores, o juiz vem providenciando a transferência de presos de cidades vizinhas para outros presídios e cadeias, conforme surgem vagas. Não há previsão de quantos detentos serão transferidos, nem em quanto tempo. O Ministério Público solicitou a interdição por falta de segurança. Nos últimos dez meses, 13 detentos foram assassinados no interior do prédio. Somente no mês passado, 25 presos fugiram, entre eles três seqüestradores. Sete foram recapturados. Depois do episódio, o diretor Gilberto Dória foi afastado. A inauguração da cadeia ocorreu em setembro de 1999, com 99 agentes penitenciários responsáveis pela segurança interna. Hoje são 56 agentes. Vários também foram afastados por suspeita de negligência, e não foram substituídos. No mês passado, um agente procurou uma emissora local de televisão para fazer várias denúncias. Ele disse que o prédio não oferecia segurança, que os presos tinham livre acesso aos pavilhões e haviam cavado pelo menos 16 túneis com o conhecimento da polícia. A fuga dos 25 detentos ocorreu por um túnel. A polícia promoveu uma vistoria no local após as denúncias e fechou os buracos. Foram instaurados um inquérito policial e uma sindicância administrativa para apurar o caso. O diretor da cadeia, Cláudio Navarro não foi localizado hoje pela reportagem. A Secretaria de Segurança Pública foi procurada, mas não se manifestou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.