Cadeia de Tatuí é desativada após nova tentativa de fuga

Os 33 presos que permaneciam soltos no interior da Cadeia Pública de Tatuí, na região de Sorocaba, foram transferidos nesta quarta-feira, 10, depois de uma nova tentativa de fuga. Eles cavaram dois túneis sob o muro que cerca a prisão, mas foram descobertos pela Polícia Militar, que frustrou a fuga. Com essas, somam dez as tentativas de fuga desde a rebelião, no dia 27 de março, em que o prédio foi destruído. Na ocasião, a cadeia estava com mais de 300 detentos. Com a destruição das celas, eles ficaram soltos, contidos apenas pela vigilância dos muros. A maioria acabou transferida para outras cadeias da região, mas faltaram vagas. As polícias civil e militar mobilizaram dezenas de veículos para a transferência dos presos que ainda permaneciam no local. Oito que já tinham condenação foram distribuídos entre as penitenciárias de Guareí e Itapetininga. Os outros 25 foram levados para os Centros de Detenção Provisória de Americana e Campinas. O prédio passará por uma perícia e deve ser desativado. O prefeito Gonzaga Júnior (PMDB) quer a reforma e instalação de uma Delegacia Participativa. O delegado que administrava a cadeia, Reinaldo Ferreira, foi transferido para a Delegacia de Trânsito de Itapetininga. Em seu lugar, assumiu o delegado Mauri de Jesus Moraes. CríticaO presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, André di Rissio, criticou a situação que levou à desativação da cadeia. "É inadmissível que delegados e investigadores tomem conta de presos, deixando seu mister principal, o da investigação em segundo plano." Segundo ele, várias cidades próximas da Capital convivem com o problema da superlotação, entre eles Mairiporã, Cotia, Poá, Jandira, São Caetano do Sul, e a cadeia feminina de São Bernardo do Campo. Nessas cidades a superlotação supera 100% da capacidade. É o caso de Cotia, onde a população carcerária é de 259 presos, para uma capacidade de 96; de Jandira, onde há 98 presos para uma capacidade de 24 detentos; e em Poá, que mantém 93 presas, para uma capacidade de 24.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.