Cães de unha pintada e pêlo com chapinha

Feira em SP traz serviços e produtos de gente na versão animal

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

27 Setembro 2007 | 00h00

Vida de cão é uma expressão que ganha outro significado para quem visita a maior feira de animais domésticos da América Latina, a Pet South American, que abriu as portas ontem no Transamérica Expo Center, na zona sul de São Paulo. O evento traz 270 expositores que oferecem serviços e produtos para animais de estimação. Quase tudo o que tem para gente, hoje é lançado na versão canina. Corretores de olheiras, chapinha para alisar os pêlos, ofurô e jóias são produtos disponíveis no mercado. E não falta público para esse filão. Destinado aos profissionais do ramo, caso dos lojistas, o evento recebeu 21 mil visitantes no ano passado. "O evento é uma grande vitrine do que o consumidor vai encontrar em breve no varejo", diz Ligia Amorim, diretora-geral para a América Latina da Nielsen Business Media, organizadora da feira. Há 29,7 milhões de cães no País, sendo a maioria, 56%, de pequeno porte. O gasto anual per capita calculado é de R$ 390, com rações, alimentos produtos farmacêuticos, vacinas, embelezamento e acessórios, segundo a organização da feira. Mas o apego aos animais muitas vezes é tão grande que seus donos não conseguem colocar limites. Preta e Gorda, duas cadelas labrador, de 7 anos, recebem tratamento de gente. Dividem o mesmo quarto como se fossem crianças, dormem em camas com lençol e possuem um cesto de brinquedos. "Elas são minhas filhas", explica a dona, Daniela Sayeg, de 34 anos, vendedora de uma butique nos Jardins. Quando o tempo esfria, Daniela não deixa os cães ao ar livre para que não se resfriem. Depois de quatro gestações interrompidas, Daniela transferiu todo o amor que não conseguiu dar aos bebês para as cachorras. Não por outro motivo, ela tatuou no pescoço duas patinhas e agora comprou um pingente de labrador para colocar no colar: "Muitas mulheres que têm filho colocam um bonequinho na corrente. O significado é o mesmo." Conhecida por vender plaquinhas para cães, a Dog Star lançou na feira o pingente esculpido em prata de 40 raças. A novidade nasceu do pedido dos próprios clientes, que queriam carregar no peito a figura do animal de estimação. Há também a versão em ouro. Joalherias finas, como a de Isabel Esteves, instalada na loja da Daslu, no Itaim-Bibi, zona sul de São Paulo, também decidiram agradar aos clientes que têm cão. "Criei uma pulseira com motivos de ossinhos, em prata e ouro branco", diz Isabel. Líder no mercado de pranchas para cabelos, a GA.MA Italy resolveu este ano entrar no mercado de animais domésticos. Lançou chapinha - para alisar pêlos do mesmo jeito que estica os cabelos das mulheres -, modelador de cachos e secador. "O setor de pet vem crescendo tanto que resolvemos pegar carona nesse filão", diz. Até loja de grife já vende roupas específicas para cachorro. Agora a Charmdog bolou um kit com duas peças iguais, uma para o cachorro e outra para o dono. É isso mesmo, os dois podem sair às ruas com o mesmo modelito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.