Cai diferença em SP, mas Alckmin ainda liquida no 1º turno, diz Ibope

Ao longo do mês, candidato tucano ao governo paulista já perdeu sete pontos na contagem dos votos válidos, mas favoritismo se mantém intacto

José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2010 | 00h00

Desde o começo de setembro os votos válidos de Geraldo Alckmin (PSDB) na disputa pelo governo paulista caíram sete pontos porcentuais. Ele começou o mês com 62%, foi a 56% na semana passada e chegou agora a 55%, segundo a última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. Para ganhar no primeiro turno, o candidato precisa no mínimo de metade mais um dos votos válidos.

Ao longo do mês, Aloizio Mercadante (PT) somou cinco pontos porcentuais aos 25% de votos válidos (excluídos os brancos/nulos/indecisos) que tinha no começo do mês. Desde a semana passada, o petista oscilou positivamente dois pontos: tinha 28% e chegou agora a 30%.

Em 2006, Mercadante teve 31,7% dos votos válidos, mas não houve segundo turno. José Serra (PSDB) foi eleito governador com 57,9% dos válidos. A diferença em relação a esta eleição é que os outros candidatos estão mais fortes do que os adversários que petistas e tucanos enfrentaram há quatro anos.

Ao longo da última semana, Paulo Skaf (PSB) foi de 3% para 4% dos válidos, Celso Russomanno (PP) foi de 10% para 9%. Tanto Fabio Feldmann (PV) quanto Paulo Bufalo (PSOL) continuam com 1% de votos válidos.

Ao tornar públicos os resultados da votação, a Justiça Eleitoral prioriza a divulgação dos votos válidos. Portanto, são os porcentuais acima que devem ser comparados às urnas.

No total de votos, Alckmin permanece com os mesmos 48% da semana passada, enquanto Mercadante foi de 24% para 26%. Como a soma de votos dos adversários cresceu, o porcentual de válidos do tucano oscilou um ponto para baixo.

Mesmo assim, o favoritismo de Alckmin se mantém intacto: 62% dos paulistas acreditam que ele será o próximo governador.

Na disputa pelas duas vagas para o Senado, Marta Suplicy (PT) e Netinho de Paula (PC do B) seguem isolados na frente e seriam eleitos, se a eleição fosse hoje. Em votos válidos, a petista tem 27% e o colega de chapa, 26%. Em terceiro, empatados tecnicamente, aparecem Aloysio Nunes (PSDB), com 18%, e Romeu Tuma (PTB), com 14% dos votos válidos. É assim que o TSE divulgará o resultado em 3 de outubro: considerando a soma dos dois votos para senador como 100%.

No total de votos, somam-se os sufrágios de cada eleitor para os dois candidatos. O total dá 200%, e inclui eleitores indecisos, votos em branco e nulos. Nessa conta, Marta oscilou de 36% para 38%, Netinho foi de 34% para 37%, Aloysio foi de 22% para 25% e Tuma foi de 18% para 20%.

A pesquisa foi feita entre 21 e 23 de setembro. Foram 2002 entrevistas, em 98 municípios. A margem de erro máxima estimada é de dois pontos. Seu registro no TSE é 31.800/2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.