Cai diferença entre Richa e Osmar Dias

Segundo pesquisa do Ibope, vantagem do tucano sobre o adversário do PDT no Paraná recuou de 16 pontos porcentuais para 9

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2010 | 00h00

Caiu de 16 para 9 pontos porcentuais a vantagem do candidato ao PSDB ao governo do Paraná, Beto Richa, em relação a seu principal adversário, Osmar Dias, do PDT. Pesquisa realizada pelo Ibope e divulgada ontem pela Rede Paranaense de Televisão mostra que Richa oscilou para baixo, de 50% para 47%, enquanto Osmar avançou de 34% para 38%, em relação à sondagem de 26 de agosto.

A redução da margem entre os principais concorrentes coincide com a maior exposição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, na campanha de Osmar, tanto pela televisão quanto em comícios. Levando-se em conta apenas os votos válidos, contudo, Richa ainda venceria a disputa no primeiro turno - ele tem 55% das intenções de voto ante 44% de Osmar.

Segundo o Ibope, os candidatos Avanilson Araújo (PSTU), Paulo Salamuni (PV), Robinson de Paula (PRTB) e Amadeu Felipe (PCB) receberam menos de 1% dos votos, enquanto Luiz Felipe Bergmann (PSOL) não foi citado por nenhum dos 1.512 eleitores ouvidos.

Os votos em branco e nulos somaram os mesmos 4% da pesquisa anterior. Os que não souberam responder baixaram de 11% para 10%. A margem de erro é de três pontos porcentuais.

O Ibope também ouviu os eleitores sobre as preferências para o Senado. O ex-governador Roberto Requião (PMDB) manteve os 50% da pesquisa anterior, enquanto Gleisi Hoffmann (PT) passou de 42% para 47%. Gustavo Fruet (PSDB) oscilou de 20% para 21% e Ricardo Barros, de 14% para 15%. Os candidatos Gilberto de Araújo (PCB) e Rubens Hering (PV) tiveram 2% das preferências, enquanto Luiz Piva (PSOL) e Valmor Venturini (PSOL) tiveram 1%. Sargento Pedroso (PRTB), Sargento Jensen (PRTB), Cláudio Timossi (PSTU) e Irineu Fritz (PT do B) tiveram menos de 1%. Os votos em branco e nulos foram 9%, enquanto 27% não souberam responder.

Propaganda. Na véspera da divulgação dos novos números das pesquisas sobre as eleições no Paraná, Richa e Osmar optaram por preservar os adversários nos programas do horário eleitoral gratuito. Depois de terem feito uma ofensiva mútua nos programas de segunda-feira - quando tanto um quanto outro exibiram vídeos antigos para desacreditar o rival -, na quarta-feira, ambos procuraram exaltar os agricultores do Estado.

A campanha do PSDB tirou do ar depoimento de Osmar, de 2008, em que afirmava que o apoio que dava a Richa para a disputa da Prefeitura de Curitiba era gratuito, sem cobrança recíproca no futuro. O objetivo era demonstrar que não havia compromisso de Richa em apoiar o candidato do PDT para o governo neste ano. O programa mostrou as propostas do tucano para melhoria da produção agrícola e divulgou nova música de campanha, apresentada como "homenagem de Beto Richa a esse herói do nosso país: o homem do campo".

Recuo. O PDT também preferiu retirar imagens de uma entrevista de Richa, em que garantia que sua candidatura, em 2008, era para cumprir quatro anos à frente da prefeitura. No programa, Osmar disse que criará uma subsecretaria dos direitos de pessoa com deficiência e apresentou depoimentos do presidente Lula, de Dilma e do governador do Paraná, Orlando Pessuti (PMDB). Ao final, Osmar afirmou ser agricultor e ter dedicado a vida política em favor da classe, ressaltando que a palavra agricultura está no quadro de sua vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.