Cai movimento na 25 de Março

A manhã deste sábado na região da Rua 25 de Março, no centro, foi mais tranquila do que nos dias anteriores. Cerca de 60 fiscais da Prefeitura e 130 guardas civis realizaram mais um dia de operação para a retirada dos ambulantes clandestinos. Foram realizadas algumas apreensões de mercadorias, sem grande tumulto. O movimento foi abaixo do normal, segundo comerciantes. A operação de fiscalização começou em ritmo bastante lento. Até as 11h30 o que se via eram fiscais andando para um lado e camelôs para o outro. As ruas próximas da 25 de Março, como a Florêncio de Abreu e Ladeira Porto Geral ficaram tomadas por camelôs. Os ambulantes chegavam a assistir os fiscais e os guardas passando de um lado para o outro, tranquilamente.Por volta do meio dia, os fiscais iniciaram uma fiscalização mais efetiva. O camelô Wilson Duarte, de 58 anos, foi um dos que teve as mercadorias (cerca de 50 óculos escuros) apreendida. "Trabalho para pagar as faculdades das minhas duas filhas. Por isso estou aqui, mas perdi. Amanhã a gente volta", disse Duarte, que teve sua mercadoria apreendida pela quarta vez hoje.Alguns comerciantes chegaram a abaixar as portas durante as apreensões, para abrí-las em seguida. A morosidade da operação levou guardas civis a apelidá-la de "operação mico-leão dourado". Para alguns frequentadores do comércio da região da Rua 25 de Março, o número de camelôs era menor do que o normal. O engenheiro eletricista Fábio Baladi, de 37 anos, disse que a fiscalização melhorou as condições para quem foi às compras ontem. "Tinha muito menos camelô e havia mais espaço para agente andar", disse o engenheiro, que costuma fazer compras na região.A operação da Prefeitura, que contou ainda com o apoio de alguns policiais militares, que de vez em quando passavam pela região, durou até às 14 horas. A Prefeitura quer, na próxima semana, iniciar uma negociação com os camelôs e evitar conflitos. Para isso, os ambulantes clandestinos e que liberaram os tumultos dos últimos dias, estão sendo identificados pela Polícia Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.