Cai nº de usuários do cinto no banco do passageiro

Média de adesão entre motoristas se mantém estável, mas os caronas se tornaram mais desleixados

Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2008 | 00h00

O uso do cinto de segurança, que parecia incorporado ao dia-a-dia dos motoristas e "co-pilotos" da nova geração, começou a "descer a ladeira", alerta uma pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em levantamento feito com 1.034 estudantes de faculdades públicas e privadas de São Paulo e Rio, os autores diagnosticaram que, em 2006, 93% dos que se sentavam no banco do carona usavam a proteção. Já na enquete deste ano o índice caiu para 85%."Como o uso do cinto pelo motorista se manteve estável nos dois estudos (na marca dos 95%), acredito que na situação para os caronas há maior desleixo, já que o carro é de outra pessoa", afirma Sérgio Franco, médico ortopedista e autor do estudo apresentado há alguns dias em congresso promovido pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).Números da Companhia de Engenharia e Tráfego (CET) confirmam que é crescente a infração cometida por paulistanos por falta do cinto de segurança. Entre 2006 e 2007, o número de multas do tipo cresceu 9%, saindo de 110.315 para 120.058 - uma média de 13 por hora (números de 2008 ainda não foram tabulados). No mesmo período, a frota de automóveis na capital cresceu 5,8%, em menor proporção que o aumento de infrações, informam os números do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Apesar de a CET não ter balanço separado de quantas infrações foram em decorrência do não-uso do cinto por motoristas ou passageiros, o levantamento confirma que os caronas são mais displicentes: 94% dos condutores usam o cinto, ante 90% dos que se sentam ao seu lado. Sérgio Berti, diretor da ONG Direção Segura, explica a queda da utilização do cinto por parte dos universitários: "O uso foi um hábito adquirido. São raros os que têm o entendimento do risco que é não colocar o cinto de segurança. E quando falta conscientização, a chance de displicência é maior."DISTRAÇÃOHorácio Augusto Figueira, consultor de trânsito, analisou o comportamento de 628 carros, que circulavam por todas as áreas da capital. Uma das constatações é que as infrações ocorrem com mais freqüência quando o número de passageiros dentro do veículo é maior. No caso do cinto de segurança, por exemplo, enquanto a média de não-uso foi de 14%, quando havia mais de duas pessoas a porcentagem subia para 18%. "Uma das hipóteses é de que as pessoas conversam e acabam cometendo infrações", avalia Figueira. Foi o que ocorreu com o estudante de Direito José Sanches Neto, 21 anos, em julho, quando foi multado em R$ R$ 127,69 e cinco pontos na carteira porque o carona não usava cinto. Pelo horário, o jovem acredita que foi quando ele voltava do jogo de futebol. "Quase não acreditei. Pior que, nesse dia, levei tanta gente no carro que nem imagino quem foi."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.