Cai número de vítimas de bala perdida no 1.º semestre no Rio

Relatório do Instituto de Segurança Pública do Estado diz que redução foi de 21,1% se comparado a 2007

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2008 | 15h40

A Polícia do Rio registrou nos primeiros seis meses do ano 135 ocorrências de bala perdida, sendo oito fatais, informou nesta sexta-feira, 26, o Instituto de Segurança Pública (ISP), que faz a análise dos registros policiais. O número é 21,1% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando 12 pessoas morreram vítimas de balas perdidas e outras 159 sofreram ferimentos. A capital teve o maior número de mortes (cinco) e de feridos (93), seguido da Baixada Fluminense _ três mortos e 23 feridos. Durante todo o ano de 2007, 222 das vítimas (considerando fatais e não-fatais) estavam na capital do estado, ou seja, 79,6%.   Veja também:O estudo feito pelo ISP na íntegra    O relatório aponta que em sete dos oito casos de morte, não houve nenhuma menção de ação armada próximo ao local do fato. No oitavo caso, houve na ocorrência o registro de uma operação policial próxima ao caso. Dos mortos, seis foram atingidos por tiros em vias públicas e uma dentro da residência _ a oitava não foi informada. A maior parte dos mortos (37,5%) correspondeu a adultos (30 a 59 anos) e (60 ou mais). Os adolescentes (12 a 17 anos) constituíram 25,0% do total das vítimas.   Da mesma forma como fez na última divulgação de dados, o ISP chamou atenção ao fato de 75% das vítimas serem do sexo masculino, quando a "bala perdida constitui um evento considerado aleatório, sobretudo, diante do fato de que a distribuição da população do Estado do Rio de Janeiro, segundo o Censo 2000 do IBGE, é de 48% de homens (6.900.312) e 52% de mulheres (7.491.794)".   Atualizado às 15h59 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.