Cai para 109 o número de internados por causa de incêndio em Santa Maria

Remédio dos EUA que combate o envenenamento por cianeto começa a ser distribuído no RS

Lucas Azevedo,

02 Fevereiro 2013 | 16h30

SANTA MARIA - O número de vítimas da tragédia de Santa Maria internadas caiu, conforme novo balanço da Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul. Segundo a pasta, na tarde deste sábado 109 pessoas continuam em hospitais de Santa Maria, da Região Metropolitana, Ijuí e Caxias do Sul. Destas, 73 ainda estão internadas em UTIs no Estado, mas apenas 41 dependem de ventilação mecânica.

Em Porto Alegre e Canoas são 54 pacientes internados, 44 em unidades de tratamento intensivo - 33 respirando por aparelhos. Em Santa Maria, 53 permanecem internados, mas 29 na UTI - oito em ventilação mecânica. Já em Ijuí e em Caxias do Sul, há um paciente internado em cada cidade, mas fora do tratamento intensivo.

Antídoto norte-americano

Está sendo distribuída na tarde desta sábado em hospitais de Santa Maria e Porto Alegre a carga de hidroxicobalabima doada pelo governo norte-americano para o tratamento das vítimas da tragédia da boate Kiss. A substância está sendo chamada de antídoto que combate o cianeto, substância aspirada pelos jovens durante o incêndio.

Pouco depois das 13 horas, 140 kits do remédio chegaram ao Rio Grande do Sul para a distribuição. Dezoito pacientes que recebem atendimento em Porto Alegre devem ser os primeiros a receber as doses injetáveis. Setenta e seis doses ficarão na capital e 64 serão destinadas a Santa Maria.

Segundo especialistas, a hidroxicobalabima minimiza o efeito do cianeto no organismo. Entretanto, os médicos ressaltam que a utilização da substância é um teste, sem garantias de êxito imediato.

A hidroxicobalabima veio ao Brasil a partir de Saint Louis, nos Estados Unidos. Sua indicação foi feita por médicos norte-americanos em videoconferência com autoridades brasileiras nessa semana.

Mais conteúdo sobre:
Santa Maria Kiss incêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.