Caixa anuncia condições especiais para vítimas de chuvas

Linha de crédito terá juro e prazos diferenciados para reconstrução de imovéis atingidos pelas águas

Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

12 Janeiro 2010 | 16h17

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta terça-feira, 12, um plano para dar mais agilidade ao atendimento às famílias, empresas e setor público dos municípios que têm sofrido com as fortes chuvas das últimas semanas. A ajuda será dada às localidades em estado de calamidade pública ou situação de emergência. A Caixa vai operar linhas de crédito com condições especiais, como juro e prazos diferenciados e carência de até seis meses para o início dos pagamentos no financiamento habitacional para reconstrução de imóveis atingidos pelas águas.

 

Veja também:

linkMinistério da Cultura libera R$ 10 milhões para Paraitinga

 

Em reunião da presidente da instituição, Maria Fernanda Coelho, com parlamentares, foram acertados detalhes da ação. O comunicado divulgado após o encontro diz que a Caixa "destinará linhas de crédito habitacional e comercial, em condições diferenciadas, para as pessoas físicas e jurídicas e setor público."

 

Haverá também financiamento especial de material de construção com o uso do Construcard para imóveis rurais e redução de juros e prazos diferenciados no crédito comercial parcelado. O texto, porém, não trouxe detalhes sobre, por exemplo, as taxas de juros que serão praticadas nesses créditos.

 

Às famílias que desejam sacar o dinheiro do FGTS, é preciso comprovar a titularidade da conta do Fundo e da residência em uma das áreas afetadas pelas chuvas. Caso esteja nessa situação, o trabalhador tem 90 dias após a publicação do ato que estabelece o estado de calamidade ou emergência na cidade para solicitar o saque.

 

"As equipes das agências da Caixa já estão realizando reuniões com as prefeituras para agilizar os processos de recuperação das cidades afetadas", disse em nota a presidente da Caixa, Maria Fernanda Coelho.

 

Serão agilizados procedimentos internos, como liberação do FGTS, indenizações de sinistros, reforço das equipes das agências e no quadro de engenheiros e analistas de financiamentos imobiliários e liberação do escalonamento do calendário do Bolsa-Família.

 

Mais conteúdo sobre:
chuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.