Calor aumenta número de mortes na Baixada

Os 32 casos em Santos e outros 24 em São Vicente podem estar relacionados à alta temperatura

Rejane Lima - O Estado de S. Paulo,

11 de fevereiro de 2010 | 07h41

Com temperaturas atingindo os 39°C e sensação térmica de até 45°C, a onda de calor na Baixada Santista nesta semana pode estar relacionada à morte de mais de 50 pessoas entre domingo e terça-feira. Em Santos, foram 32 mortes entre segunda e terça-feira, 17 em residências e 15 nos três prontos-socorros da cidade.

 

Em todo o mês de fevereiro do ano passado, Santos registrou um total de 24 óbitos. Idosos que tinham doenças crônicas formavam a maioria das vítimas desta semana. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de São Vicente, o número de mortes na cidade entre domingo e terça-feira, 30% acima da média, também chamou a atenção: 24 pessoas, 16 no pronto-socorro. As prefeituras de Guarujá e Cubatão afirmaram que o número de mortes ficou na média. Praia Grande não contabilizou os índices.

 

Chefe do Departamento de Regulação da Secretaria de Saúde de Santos, Maria Ligia Lyra Pereira disse que o aumento das mortes provavelmente aconteceu por causa do calor. "Os pacientes que morreram tinham entre 60 e 97 anos, sofriam de hipertensão, diabete, cardiopatias e problemas renais. Provavelmente o calor acabou piorando essas doenças de base", avaliou a médica, afirmando que, após a chuva da tarde de terça-feira, os índices voltaram ao padrão. "O padrão de anormalidade foi até terça-feira. Segunda tivemos 220 chamados de ambulância e a média é de 130 por dia."

 

A hipótese de que as altas temperaturas tenham aumentado o número de mortes é reforçada pelo fisiologista Raul Santo de Oliveira, doutor em fisiologia do exercício e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Segundo ele, idosos e sedentários têm mais dificuldades de "perder o calor", ou seja, acionar mecanismos internos (como sudorese) que permitem que o sangue e as células mantenham a temperatura do corpo próxima a 37 graus.

 

"Quando o mecanismo termorregulador é ineficiente, sobe muito a temperatura do corpo, aumentando a frequência cardíaca e a pressão arterial, e prejudicando as funções do organismo", explicou. Para ele, uma maneira de evitar que a saúde dos idosos piore com o calor é observar os níveis de frequência cardíaca e a pressão arterial e evitar a automedicação.

 

As dicas do médico para evitar problemas de saúde causados pelo calor são usar roupas claras e leves, não se esquecer do protetor solar e caprichar na hidratação. Além de água e suco, ele recomenda as bebidas isotônicas, que também repõem os sais minerais perdidos com o suor.

 

Para os esportistas, a orientação é evitar exercícios físicos entre 10h e 16h e optar pelos bonés com furinhos na parte da cima. "Nós perdemos muito calor pela cabeça", completou.

 

De acordo com o meteorologista do Climatempo André Madeira, o aumento da temperatura no litoral aconteceu por causa da presença de uma massa de ar quente que foi dissipada apenas ontem. "Na segunda-feira, a máxima chegou a 39°C na Base Aérea de Santos", disse ele. Madeira acrescentou que a sensação térmica foi de 45°C.

 

A previsão é de que a temperatura volte a subir a partir do final da semana. "As pancadas de chuva voltam na terça e a temperatura cai na quarta."

Tudo o que sabemos sobre:
calorSantostemperatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.